13 nomes para a Esplanada dos Ministérios de Dilma

A presidenta Dilma Rousseff definiu nessa terça-feira (23) treze novos nomes para integrar a Esplanada dos Ministérios em Brasília. Os demais indicados para a equipe ministerial devem ser anunciados na próxima segunda-feira...

972 2

A presidenta Dilma Rousseff definiu nessa terça-feira (23) treze novos nomes para integrar a Esplanada dos Ministérios em Brasília. Os demais indicados para a equipe ministerial devem ser anunciados na próxima segunda-feira (29)

Por Redação

Nesta terça-feira (23), foram anunciados os novos nomes que integrarão a Esplanada dos Ministérios neste segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff, que havia interrompido as negociações ministeriais para um almoço de confraternização de fim de ano com membros do primeiro escalão de seu governo, além de deputados e senadores da base aliada no Palácio da Alvorada. Entre os presentes estavam Aloizio Mercadante (Casa Civil), José Eduardo Cardozo (Justiça), Aldo Rebelo (Esportes) e Thomas Traumann (Comunicação Social), além do futuro ministro da Fazenda, Joaquim Levy; os presidentes da Câmara, Henrique Alves, do Senado, Renan Calheiros e os líderes do PT e do PMDB na Câmara – respectivamente Vicentinho (SP), Eduardo Cunha (RJ) – também estiveram presentes.

A expectativa e as apostas ao longo do dia para a “dança das cadeiras” ministeriais deram espaço para muitas especulações. Uma das primeiras notificações partiu do jornal Estado de S. Paulo que ainda de tarde escreveu que o PMDB, principal partido da base aliada do governo Dilma, conquistou seis ministérios: Agricultura com Kátia Abreu (senadora por Tocantins); Secretaria de Aviação Civil com Eliseu Padilha (deputado pelo Rio Grande do Sul); Minas e Energia com Eduardo Braga (senador por Amazonas); Pesca com Hélder Barbalho (ex-deputado pelo Pará); Secretaria dos Portos com Edinho Araújo (deputado por São Paulo) e Turismo com o atual ministro Vinicius Lages. Com essa composição, o PMDB passa a controlar uma expressiva parte das pastas de infra-estrutura do governo.

Outros dois nomes que foram alvo de especulação durante essa tarde de terça-feira, foram os de Ricardo Berzoini para Comunicações e Jacques Wagner para a Defesa. O governador baiano foi um dos nomes mais cotados para assumir as Comunicações, mas nem mesmo Berzoini foi confirmado nessa terça-feira. Outro nome bastante especulado foi o de Pepe Vargas (PT-RS) para a Secretaria de Relações Institucionais – ele já comandou a pasta de Desenvolvimento Agrário no primeiro mandato de Dilma.

Outros nomes são: o ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD) para o Ministério das Cidades; o governador do Ceará, Cid Gomes (Pros) na Educação o deputado mineiro George Hilton (PRB) para os EsportesNilma Lino Gomes para Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial;  Valdir Simão na Controladoria Geral da União e o ex-ministro dos Esportes, Aldo Rebelo (PCdB) em Ciências e Tecnologia.

Os primeiros nomes que haviam sido anunciados foram os de Joaquim Levy na Fazenda; Nelson Barbosa no Planejamento, além de Alexandre Tombini, que se mantém no Banco Central.

Os demais indicados para a equipe ministerial devem ser anunciados na próxima segunda-feira (29).

Foto de Capa: Wikipedia



No artigo

2 comments

  1. Rafael Fortes Responder

    Pelos nomes e sobrenomes de alguns ministros e pelos partidos aos quais são filiados, percebemos o notável esforço do governo Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), de lutar contra a corrupção.

  2. Carlos Responder

    Em países de verdade esse governo já tinha caído faz é tempo, o PT é semelhante a boa parte do povo brasileiro, um complementa o outro.


x