Em evidência após atentado, extrema-direita francesa é antieuro, antiaborto e quer baixar idade penal para 13 anos

Após atentado à "Charlie Hebdo", expectativa é de que Frente Nacional, partido de Marine Le Pen, ganhe mais força política com clima de xenofobia no país.

309 0

Após atentado à “Charlie Hebdo”, expectativa é de que Frente Nacional, partido de Marine Le Pen, ganhe mais força política com clima de xenofobia no país

Por Amanda Lourenço, do Opera Mundi | Foto: Flickr/Blandine Le Cain/CC

A FN (Frente Nacional), partido da extrema-direita francesa liderado por Marine Le Pen, já vem há algum tempo despontando como relevante força política no cenário nacional. Apenas em 2014, venceu as eleições para o Parlamento Europeu na França, conseguiu significativo avanço nos pleitos municipais país afora e ainda aparece liderando as intenções de voto, com 28% da preferência, para as eleições departamentais em 2015.

Desde a semana passada, quando 17 pessoas morreram nos episódios relacionados ao ataque contra a revista satírica Charlie Hebdo, a legenda direitista ganhou ainda mais atenção. A líder Marine Le Pen não perdeu tempo: pediu a volta da pena de morte, extinta há mais de 30 anos, e disparou: “Por trás do terrorismo, há uma ideologia: o fundamentalismo islâmico”.

O que torna a Frente Nacional tão singular neste momento da história é a expectativa (e o temor) de que o partido da extrema-direita seja capaz capitalizar esse clima de tensão, islamofobia e xenofobia que surge, em alguns pontos do país, como reação ao ataque terrorista. Desde o assalto à Charlie Hebdo, por exemplo, mais de 50 atos antimuçulmanos foram registrados na França.

Com isso, o partido sairia fortalecido e com mais respaldo popular para participar da corrida presidencial em 2017 — o que não deixaria de ser uma ironia, já que a Charlie Hebdo, pivô, neste cenário, da ascensão de Le Pen, tinha na Frente Nacional um de seus alvos mais frequentes.

“Os atentados em si não foram nada. O pior ainda está por vir”, ouve-se em cada esquina de Paris. Mas, no caso de as previsões pessimistas se concretizaram — ainda que distantes e superestimadas, na opinião de muitos —, o que mudaria se Marine Le Pen passasse a ocupar o cargo mais alto da França?

Abaixo, estão algumas das mais importantes propostas de campanha defendidas pela Frente Nacional:

Abandono do euro

Um dos carros-chefes de Marine Le Pen, a volta ao franco teoricamente permitiria recuperar a competitividade e diminuir o desemprego e o déficit. A nacionalização parcial dos bancos seria necessária em um primeiro momento. Especialistas dizem que como nenhum país saiu do euro antes, é impossível prever as consequências do abandono. Como a França é uma das maiores economias da Europa, sua saída provavelmente provocaria um colapso em toda a região, o que certamente seria sentido pela própria França, cedo ou tarde.

Antecipação da aposentadoria

Em 2010, a França aumentou a idade legal de aposentadoria de 60 para 62 anos e o tempo de cotização de 40 para 43 anos. A FN quer reinstaurar os antigos critérios, sem levar em conta o envelhecimento da geração baby-boom. Se os sindicatos ainda tentam lutar por esta causa, os trabalhadores já parecem ter se conformado diante das evidências: “Levando em conta as dificuldades econômicas, mas também o aumento da expectativa de vida, muitos assalariados estão percebendo que esta reivindicação não é mais justificável. Não é mais uma prioridade”, afirma Dominique Andolfatto, professor de ciências políticas da Universidade de Bourgogne.

Reestabelecimento da pena de morte

Cada vez que um crime choca o país, Marine Le Pen aparece defendendo a pena capital. Não foi diferente depois do ataque terrorista da última semana. Entre as propostas oficiais do partido também está a prisão perpétua efetiva, sem qualquer possibilidade de liberação.

Compromisso contra imigração

Há uma série de medidas contra os estrangeiros clandestinos: expulsão imediata dos que estiverem na França, supressão da possibilidade de regularização e fim do atendimento médico universal obrigatório. O objetivo é reduzir de 200 mil para 10 mil imigrantes regularizados por ano. A mão de obra estrangeira, mesmo a ilegal, sempre foi um mecanismo importante para o desenvolvimento do país. “No papel, esse excesso de trabalhadores é inútil, já que temos uma taxa de desemprego superior a 10%. Entretanto, há uma rejeição dos franceses por certos tipos de trabalho manuais, difíceis e mal remunerados e estes clandestinos suprem a necessidade em certos setores como indústria e construção”, afirma Andolfatto.

Incentivo à natalidade

O partido de Marine Le Pen defende “uma grande política natalista ao invés de uma imigração cara e desestabilizante”. Porém, como já esclareceu Andolfatto, uma coisa não tem muito a ver com a outra. Além do mais, há décadas o governo francês vem realizando uma política natalista e seus resultados foram bastante satisfatórios: a França tem a segunda maior taxa de natalidade da Europa, atrás apenas da Irlanda e na frente até mesmo do Brasil.

Luta contra o aborto

O aborto foi legalizado na França há exatos 40 anos e é um direito social tão enraizado, que nem partidos ultraconservadores ousam tocar nele. De maneira um tanto absurda, o que propõe a FN é “a escolha de não abortar”, oferecendo outras opções como adoção pré-natal ou ajudas financeiras a famílias numerosas.

Laicidade com foco no islã

A França é um país laico e já aprovou leis polêmicas em torno desta laicidade, como a proibição do porte de sinais ou símbolos religiosos em estabelecimentos públicos, sejam eles véus, cruzes ou quipás. O princípio não é aceitar todas as religiões, mas evitar a demonstração de todas elas. A FN tem uma preferência por focar na religião muçulmana, que, segundo o partido, “tem como objetivo aplicar a sharia (lei islâmica) na França”. Le Pen pretende lutar contra o “comunitarismo e o fundamentalismo islâmico” proibindo a discriminação positiva nas entrevistas de trabalho, entre outros. Ela parece ignorar, entretanto, que o índice de desemprego dos decendentes de imigrantes da África ou de países árabes é três vezes maior do que entre os franceses.

Outras propostas da Frente Nacional:

– supressão do direito à nacionalidade francesa apenas pelo nascimento em solo francês;

– proibição da dupla nacionalidade, exceto entre países europeus;

– diminuição da maioridade penal para 13 anos de idade;

– reestabelecimento da autoridade e da meritocracia nas escolas;

– reconhecimento moral e financeiro dos harkis, argelinos que lutaram ao lado dos franceses na Argélia colonial. Jean-Marie Le Pen, pai de Marine e soldado na guerra da Argélia, é acusado da prática de tortura durante seu serviço na ocasião; e,

– rejeição do casamento gay e adoção de crianças por pessoas do mesmo sexo.



No artigo

x