Oscar 2015: muito masculino, muito branco

Além de indicar apenas brancos para as quatro categorias de melhores atores/atrizes, a Academia também não sugeriu nenhuma mulher para os prêmios de direção e roteiro, perdendo a oportunidade de fazer história em indicar, pela primeira vez, uma diretora negra.

583 2

Além de indicar apenas brancos para as quatro categorias de melhores atores/atrizes, a Academia também não sugeriu nenhuma mulher para os prêmios de direção e roteiro, perdendo a oportunidade de fazer história em indicar, pela primeira vez, uma diretora negra

Por Redação | Foto de capa: Reprodução

Minutos depois de serem anunciadas as indicações ao Oscar desse ano, a frase #OscarsSoWhite (Oscar Tão Branco) entrou no trending topics do Twitter. Todas as indicações às quatro principais categorias (atores e atrizes, protagonistas e coadjuvantes) são de pessoas brancas – isso não acontecia desde 1998. Um dos principais catalisadores para tal indignação foi o “esquecimento” do filme Selma, sobre a luta pela aprovação dos Direitos Civis do laureado com o Nobel da Paz Martin Luther King Jr., nas principais categorias, exceto a de melhor filme. Não houve o reconhecimento da Academia ao trabalho do ator britânico filho de nigerianos David Oyelowo, como Luther King, ou da diretora, também negra, Ava DuVernay. 

O filme foi lançado enquanto aconteciam gigantescas manifestações por todo os Estados Unidos, protestando contra o sistemático assassinato de jovens negros desarmados por policiais brancos, e obteve uma excepcional aprovação de 99% nas redes; saindo-se ainda melhor que o aclamado Boyhood, que teve 98% de aprovação e venceu o Globo de Ouro de melhor filme e foi indicado ao Oscar em seis categorias. “O filme [Selma] ser nomeado apenas por melhor música e melhor filme é uma desgraça”, lamentou Tom O´Neil, fundador do website Goldderby.com, que acompanha todos os principais prêmios da indústria do cinema. 

A predominância masculina nas indicações também tem sido alvo de críticas: todos os diretores, roteiristas e produtores são homens. Para Sasha Stone, do website Awardsdaily.com, semelhante ao de O´Neil, “é uma vergonha ver que a Academia deixou a oportunidade de indicar a primeira diretora negra da história”, disse ela, referindo-se a Ava DuVernay, e mencionou também Gillian Flyn, roteirista de Garota Exemplar.

Como Rachel Cooke escreveu nesse final de semana no The Guardian, “se aventure a ir ao cinema mais próximo e você não achará nada além de um cardápio de testosterona pesada que a Academia tanto ama: pode-se escolher entre American Sniper (sobre um soldado de elite), Foxcatcher (sobre lutadores olímpicos com pescoço grosso) ou Whiplash (sobre um professor de música agindo como um sargento do exército)”.

No gráfico abaixo, é possível ver que a predominância masculina-branca no Oscar é algo histórico. Por 85 anos (1927-2012), apenas uma mulher venceu como diretora (Kathryn Bigelow, por Guerra ao Terror), duas atrizes negras (Halle Berry, por A Última Ceia, e Lupita Nyong’o, por 12 Anos de Escravidão) e apenas sete atores “de cor” (Ben Kingley, por Gandhi, é britânico de origem indiana), sendo que três atores negros venceram somente nos últimos 15 anos.

academy gap



No artigo

2 comments

  1. Carlos Responder

    Cota pra oscar já kkkkkkkkk, não se tem cota para talento.

  2. mineiro Responder

    tem a santa paciencia , levar o oscar a serio é a mesma coisa de levar a onu tambem a serio. esse oscar é mais um covil de brancos elitizados a serviço dos eua. aquilo ali nao ta nem ai para o resto do mundo , esse oscar so serve ao interesses americanos e mais. e ainda tem gente no brasil que sonham com aquele lixo la. pelo amor de deus. o dia que o oscar for democratico a onu inutil que nao serve para nada tambem vai ser.


x