Tsipras: “O dia 25 de janeiro será um dia histórico. E não apenas para a Grécia”

O líder do Syriza, Alexis Tsipras afirmou que o atual governo grego já “não consegue enganar ninguém com a anedota de que salários de miséria e um alto desemprego são o caminho para o...

253 0

O líder do Syriza, Alexis Tsipras afirmou que o atual governo grego já “não consegue enganar ninguém com a anedota de que salários de miséria e um alto desemprego são o caminho para o crescimento”, e acusou o primeiro-ministro Antonis Samaras de “recorrer à última carta de que dispõe: o medo”

Por Esquerda.net

“Este é o tempo em que a esperança na Grécia vencerá o medo”, avançou o líder do Syriza, acrescentando que “é tempo de vencer a Idade Média e o obscurantismo”. Sublinhando que, na segunda-feira (26), começa uma nova época para a democracia e a liberdade na Grécia, Alexis Tsipras defendeu ainda que é tempo de o povo dar ao seu país uma nova força para se “erguer após cinco anos de destruição”.

“É tempo de a esquerda assumir a dianteira enviando a mensagem de uma nova unidade popular. Um novo patriotismo”, reforçou. Para o político grego, a vitória do seu partido permitirá abrir um novo caminho: “o caminho da solidariedade e da coesão social, da reconstrução produtiva e social, da reabilitação das instituições e da democracia”.

“A 25 de janeiro, o povo terminará nas urnas com a política desastrosa que tem vindo a ser adotada nos últimos cinco anos. Uma política que dizimou os salários. Que catapultou o desemprego para níveis catastróficos. Que retirou dignidade aos pensionistas. Que condenou a Grécia à pobreza”, afirmou Tsipras, completando: “Com o seu voto, o povo irá pôr fim a uma política que destruiu o Estado Social, os fundos da Segurança Social, a Saúde pública.

Frisando que o governo grego já não consegue esconder os seus objetivos e “não consegue enganar ninguém com a anedota de que salários de miséria e um alto desemprego são o caminho para o crescimento”, o político grego acusou o executivo de Antonis Samaras de “recorrer à última carta de que dispõe: o medo”.

“Não temos nenhuma varinha mágica para recuperar em poucos dias o que foi destruído em vários anos. Não prometemos soluções automáticas e mágicas. Mas nós temos uma grande arma: o poder e a vontade de um povo de recuperar o controle sobre as suas próprias vidas”, referiu. Segundo adiantou Tsipras, “quanto maior for a votação no Syriza mais forte e mais estável será a Grécia a partir de segunda-feira”.

“O dia 25 de janeiro será um dia histórico. E não apenas para a Grécia. A Europa tem a sua atenção focada em nós”, declarou, frisando que “existe cada vez mais interesse e respeito pelas propostas do Syriza no que respeita à dívida e à austeridade, que já provou levar a Europa a um impasse político e econômico. Durante a iniciativa, Alexis Tsipras reforçou os compromissos do Syriza no que respeita, nomeadamente, à recuperação de salários e pensões, à justiça fiscal, ao combate à corrupção, à resposta à crise humanitária e à solidariedade entre os povos do sul e todos os trabalhadores da União Europeia.

Foto de Capa: Reprodução Facebook

 



No artigo

x