“Vá pra Cuba, companheiro!”

Campanha arrecada fundos para ajudar nas despesas de viagem do militante Enio Barroso, que vê no tratamento em Cuba uma esperança para atenuar os sintomas causados por uma grave distrofia muscular.

1398 0

Campanha arrecada fundos para ajudar nas despesas de viagem do militante Enio Barroso, que vê no tratamento em Cuba uma esperança para atenuar os sintomas causados por uma grave distrofia muscular

Por Maíra Streit

enio_
Campanha busca financiar tratamento (Foto: Divulgação)

“Primeiro, preciso dizer que a solidariedade é minha única ideologia e minha única religião”. A frase é de Enio Barroso Filho, um dos mais emblemáticos militantes do Partido dos Trabalhadores (PT) e um símbolo dos ideais genuínos da luta de esquerda. Acostumado a dedicar seus esforços pelo bem-estar coletivo, agora ele se surpreende ao ser alvo de uma grande rede de amigos mobilizados em ajudá-lo.

A campanha “Vá pra Cuba, companheiro!” tem reunido várias pessoas com um único objetivo: custear as despesas para o tratamento de Enio no país caribenho e, assim, atenuar as dificuldades trazidas por uma séria distrofia muscular congênita. A doença degenerativa faz com que se perca o tônus muscular ao longo dos anos e, além de comprometer os movimentos do corpo, ainda causa disfunções como dores, câimbras e fadiga.

Apesar de ser um problema comum na família – uma tia, inclusive, morreu bastante jovem por consequências da distrofia -, Enio levou uma vida normal até os 28 anos, quando passou a sentir fraqueza nas pernas e nos braços. O diagnóstico veio em 1985 e, a partir daí, precisou caminhar com o uso de bengala e abandonou a profissão de químico. Há 7 anos, se tornou cadeirante e, com o passar da idade, percebeu a doença avançar em uma velocidade ainda maior.

Agora, ele vê em Cuba uma possibilidade de reduzir os sintomas, já que não há ainda uma cura definitiva para a doença. A escolha do destino foi baseada, além da qualidade, no viés humanista do sistema de saúde cubano. Segundo ele, o acompanhamento é feito de modo personalizado, com especialistas de variadas áreas e uma visão mais voltada às particularidades do paciente. “Em Cuba, me parece que serei tratado como um amigo que precisa de ajuda”, afirmou.

Mas, para isso, é preciso arrecadar uma quantia de aproximadamente R$ 50 mil, incluindo os valores das passagens de ida e volta (a viagem de um acompanhante é obrigatória), hospedagem, seguro-saúde, taxas e outras despesas. Enio pretende fazer vídeos diários para mostrar informações sobre a estadia e os progressos do tratamento em Cuba. Todo o registro do material poderá ser acompanhado no blogue pessoal do ativista.

Ao contrário do que se imagina, todo esse processo tem sido encarado com esperança e bom humor. “Como pode ver, a minha vida foi tumultuada demais para ser levada a sério”, disse. “É tudo o que eu preciso: melhorar minha qualidade de vida e o consequente prolongamento das minhas perspectivas, que até aqui me foram apresentadas como breves”, concluiu.

Histórico de militância

encontro-blogueiros-cut.jpg-2
Na foto, Ênio aparece ao lado do ex-presidente Lula no 4º Encontro de Blogueiros e Ativistas Digitais (Créditos: CNTSS/CUT)

Enio Barroso é filiado ao PT desde o primeiro dia de fundação do partido. Trabalhava no Polo Petroquímico de Capuava, em Santo André (SP), quando surgiram, no final dos anos 1970, as históricas greves do ABC. Ali, conheceu o então sindicalista Lula e lutou por melhores salários para sua categoria, além de consolidar a resistência ao regime militar.

Atuou no movimento estudantil e foi preso por quatro vezes. Morou e militou um tempo em Porto Alegre. Mas, ao descobrir a doença, precisou voltar a São Paulo, onde ocupou posteriormente cargos nas gestões municipais de Luiza Erundina e Marta Suplicy. Atuou ainda como assessor parlamentar e participou de inúmeras campanhas políticas.

A experiência como “blogueiro sujo” – termo criado pelo tucano José Serra para hostilizar a blogosfera formada por militantes de esquerda – teve início com as limitações trazidas pela distrofia. “Tudo começou quando a vida me tirou os pés do chão e me sentou na cadeira de rodas”, explicou. Hoje, ele se orgulha de ter presenciado tantos momentos marcantes e de ter contribuído para as transformações sociais em andamento no país.

Como ajudar

Quer colaborar com a campanha?

O depósito pode ser feito, em qualquer quantia, direto na conta poupança:

Enio Barroso Filho
104 – Caixa Econômica Federal
CPF 000.831.558-21
Agência 0244 – Casa Verde
Operação 013
Conta 19636-2

Foto de capa: O Cafezinho



No artigo

x