Miss coisa nenhuma

No último domingo (25), aconteceu a escolha da mais nova Miss Universo: uma mulher, representante de um país, que foi coroada e declarada como a mais bonita que existe no planeta. Para receber o...

949 4

No último domingo (25), aconteceu a escolha da mais nova Miss Universo: uma mulher, representante de um país, que foi coroada e declarada como a mais bonita que existe no planeta. Para receber o título, a moça desfilou com trajes variados, inclusive um biquini, e competiu contra dezenas de outras mulheres.

No meio de tantas moças, pouquíssimas eram negras ou não brancas. Todas eram magras. Os sorrisos, os cabelos, a forma de andar e o jeito de falar;  tudo milimetricamente planejado e ensaiado, coordenado para atender a um rígido padrão do que o mundo enxerga como a feminilidade adequada. Um verdadeiro festival para celebrar a plastificação da mulher e a sua redução aos seus atributos físicos.

Mesmo que isso seja evidente para muita gente, de vez em quando os muitos problemas dos concursos de beleza são considerados até positivos. Como quando uma garota gorda concorre ao título de musa, ou quando são criados concursos voltados para grupos de mulheres excluídos dos grandes eventos como o Miss Universo. Inventam um concurso diferente para cada categoria de mulher fora do padrão e aparentemente todo mundo se contenta com isso.

É preciso olhar os concursos de beleza com olhos criteriosos, pois o próprio princípio da disputa já é um absurdo; afinal, como assim mulheres competem umas com as outras para que sejam avaliadas e uma delas escolhida como a mais bela entre todas? Não tem algo de muito errado aí? Aliás, quais são os critérios para que uma mulher possa participar daquele concurso? Porque se alguém será escolhida como mais bela, isso significa que os jurados escolherão características mais bonitas e outras mais feias. Algo arbitrário, efêmero, cultural e frágil. Assim como o próprio conceito de beleza.

Como então esperar que mulheres se empoderem genuinamente a partir de valores como esse? E que tipo de empoderamento é esse que condiciona a valoração social de uma mulher a sua aparência física? Mesmo em concursos criados para mulheres que não se encaixam nos padrões, como o do corpo magro, ainda existem padrões sendo reproduzidos e ainda prevalece a estética como condição para que aquelas mulheres sejam aplaudidas e ganhem importância. Essa é uma armadilha ardilosa, pois explora a autoestima fragilizada, mas não oferece uma solução real para o problema – que é a noção de que mulheres precisam ser bonitas.

Nenhuma mulher precisa ser bonita. A beleza não é uma qualidade fundamental para que mulheres sejam seres humanos plenos, capazes e importantes. Em uma sociedade que gira em torno da aparência e move bilhões em dinheiro para que essa aparência seja apresentada de forma impecável, a afirmação de que mulheres não precisam ser bonitas é uma enorme transgressão. Essa afirmação é o tipo de atitude que coloca um ponto final em uma relação misógina e tira dos outros o poder sobre a vida feminina.

A beleza é algo que a mulher pode ou não desejar; e pode ser algo que as pessoas com quem essa mulher se relaciona pensam ou não pensam a seu respeito. Mas o empoderamento verdadeiro coloca nas mãos da mulher o poder de definir como se enxerga e estabelecer o seu valor pelo ser humano completo que é, não pelo formato do seu corpo, seus traços faciais, a cor de sua pele ou a presença de algum tipo de deficiência. Deveria ser possível viver plenamente sem que a ideia da beleza se torne um fantasma que assombra ou uma miragem que é constantemente perseguida.

Talvez, no fim das contas, pelo menos uma reflexão deva conquistar espaço em nossas mentes: por que ser considerada feia, “baranga”, “dragão” e coisa similar ainda é um dos maiores insultos que uma mulher pode receber? E por que, seja considerada bonita ou feia, a capacidade intelectual da mulher está sempre condicionada a sua aparência física? Precisamos questionar os valores que reduzem a mulher à obrigação de buscar a beleza, incluindo a forma como são reforçados e reproduzidos por meio de concursos.

Que as interrogações sejam, então, o começo da libertação.

Foto de capa: Reprodução/Facebook



No artigo

4 comments

  1. Roger Jones Responder

    excelente artigo.

  2. cyra Responder

    Uma reflexão muito bacana sobre este peso que a mulher carrega de ser um mulher perfeita.

  3. Carlos Responder

    Mulheres bonitas geralmente são mais burras mesmo, é que a inteligencia é o que sobra para as feias.

  4. Sofia Responder

    Concordo em gênero, número e grau. É triste pensar em quantos padrões tóxicos se legitima com esses concursos. Teve até uma cidade na Argentina que proibiu os concursos de beleza…


x