‘Reajam aos boatos. Sejam claros. Travem a batalha da comunicação’, diz Dilma a ministros

Em reunião, presidenta pede que ministros defendam o governo e mostrem que as promessas de campanha não foram alteradas: "Direitos trabalhistas são intocáveis e não será o nosso governo, um governo de trabalhadores, que irá revogá-los".

462 1

Em reunião, presidenta pede que ministros defendam o governo e mostrem que as promessas de campanha não foram alteradas: “Direitos trabalhistas são intocáveis e não será o nosso governo, um governo de trabalhadores, que irá revogá-los”

Por Redação

Nesta terça-feira (27), a presidenta Dilma Rousseff participou da primeira reunião ministerial de seu segundo mandato. Na ocasião, Dilma discursou durante 35 minutos e, depois, abriu espaço para que os ministros falassem sobre as prioridades de suas áreas de atuação.

Entre os momentos mais contundentes de seu pronunciamento, Dilma pediu que eles reajam a boatos e estabeleçam uma comunicação mais clara com a população. “Nós devemos enfrentar o desconhecimento, a desinformação sempre e permanentemente. Nós não podemos permitir que a falsa versão se crie e se alastre. Reajam aos boatos, travem a batalha da comunicação, levem a posição do governo à opinião pública, a posição do ministério à opinião pública. Sejam claros, sejam precisos, se façam entender. Nós não podemos deixar dúvidas”, afirmou.

A presidenta enfatizou também a necessidade de dizer “a cada cidadão” que não houve mudanças naquilo que foi apresentado como proposta durante a campanha eleitoral, citando como exemplo os direitos trabalhistas. “Direitos trabalhistas são intocáveis e não será o nosso governo, um governo de trabalhadores, que irá revogá-los”,disse. “Vamos falar mais, comunicar sobre nossos desafios, sobre nossos acertos”, destacou.

Mais uma vez, Dilma afirmou a importância da luta pela reforma política e pediu que os ministros mantenham diálogo direto com o Congresso Nacional. As medidas econômicas anunciadas recentemente também foram assunto em pauta na reunião, tendo sido lembradas como necessárias para o reequilíbrio fiscal do governo, que será feito de forma “gradual”.

“Nós reduzimos em um terço o limite orçamentário de todos os ministérios neste início de ano. Lembro a cada um dos ministros e das ministras que as restrições orçamentárias exigirão mais eficiência no gasto. Estou certa de que todos executarão com excelência e vamos fazer mais, gastando menos”, disse. Segundo ela, o compromisso dos ministros deve ser com o crescimento do país e a diminuição das desigualdades sociais.

Ainda na área econômica, Dilma ressaltou que é preciso criar condições para a queda da inflação e das taxas de juros no médio prazo, além de garantir a continuidade na geração de emprego e renda. Em seu discurso, a presidenta também voltou a defender a Petrobras, que tem sido alvo de investigação da Operação Lava Jato, da Polícia Federal. “Temos de reconhecer que a Petrobras é a empresa mais estratégica para o Brasil. Temos que saber apurar, temos que saber punir, isso tudo sem enfraquecer a Petrobras, diminuir sua importância para o presente e para o futuro do país”, afirmou.

Foto de capa: Roberto Stuckert Filho / PR



No artigo

1 comment

  1. mineiro Responder

    é o que todos nos queremos , que o governo se comunique, marca territorio. e nao deixar so pig fazer a comunicaçao. é isso mesmo tem que cobrar desses min. mas a pres. tem que por uma coisa na cabeça , com esse min. da injustiça pau mandado , salafrario. nao tem como um governo fazer as coisa sem que ele vaze. esse min. nem deveria ser min.


x