Propaganda de carnaval da Skol é alvo de críticas feministas

Para ativistas, nova campanha publicitária da marca de cerveja, que utiliza a frase "Esqueci o 'não' em casa", reforça a cultura de opressão à mulher

4324 5

Para ativistas, nova campanha publicitária da marca de cerveja, que utiliza a frase “Esqueci o ‘não’ em casa”, reforça a cultura de opressão à mulher

Por Jarid Arraes

A nova campanha de carnaval da marca de cerveja Skol se tornou alvo de críticas feministas na internet. Em seus perfis pessoais nas redes sociais, a publicitária Pri Ferrari publicou fotos dela mesma acompanhada da jornalista Mila Alves em frente a um anúncio da marca. A peça da campanha publicitária da Skol, onde se lê “Esqueci o ‘não’ em casa”, foi pichada para dar lugar ao complemento “e trouxe o ‘nunca'”, como parte do protesto contra a propaganda. 

Ferrari explica que encontrou o anúncio em um ponto de ônibus e ficou chocada. “A peça e a campanha em si mostram claramente um conceito errado, de ‘topo depois pergunto’, de ‘não pode dizer não'”, afirma. Para ela, o carnaval exige das pessoas maior responsabilidade, para que digam “não” em diversas situações: “Não ao estupro, não a beber e dirigir, não ao sexo sem camisinha”, exemplifica.

Segundo Juliana de Faria, fundadora do Think Eva um núcleo de inteligência que atua junto às marcas e empresas em questões como a representatividade feminina e o respeito às mulheres na mídia –, a situação requer seriedade. “Entendemos a intenção da campanha em transmitir uma mensagem de liberdade, diversão e celebração. Porém, esse é apenas um jeito de enxergar a situação. Existem, sim, opressões, violências e pensamentos misóginos associados ao universo do carnaval e da cerveja. Então as críticas também são válidas. A intenção de libertar acaba incitando uma cultura opressora. E opressora para as mulheres, constante vítimas de violências – principalmente a sexual”, pontua.

Faria ainda chama atenção para o fato de que a sociedade não tem plena compreensão a respeito do que é consentimento. “Muitas vezes, ele [o consentimento] é embutido em algo, como uma saia curta ou simplesmente a presença da mulher num bloco de carnaval, numa balada. Por isso mensagens que diminuem o poder do ‘não’ são perigosas”. 

Pri Ferrari também relata que as mensagens enviadas para a marca Skol foram deletadas da página da empresa e questiona a responsabilidade de toda a equipe envolvida na criação da propaganda. “Não só alguém criou, como passou na mão de muita gente e ninguém problematizou a questão, isso é uma falta de respeito e de responsabilidade que se repete no mundo da publicidade”, protesta. A publicitária espera que mais pessoas percebam o equívoco e passem a reagir diante de acontecimentos similares.

Foto de capa: Reprodução



No artigo

5 comments

  1. Marina L. Responder

    Campanhas rasteiras, que ignoram o triste índice de aids no país (que volta a crescer), homicídios, acidentes no trânsito…

    1. Amadeu Responder

      Não adianta criticar a propaganda…é pura babaquice. Além disso nem tão ofensiva. As feministas estão viajando. Tem que criticar a sociedade e a cultura podre que é disseminada todos os dias. Quer exemplo? Olha a reportagem abaixo colocada na página principal do mesmo site, o IG: http://carnaval.ig.com.br/2015-02-11/resolvidas-e-livres-mulheres-esperam-beijar-ate-50-neste-carnaval.html

  2. Amadeu Responder

    Não adianta criticar a propaganda…é pura babaquice. Além disso nem tão ofensiva. As feministas estão viajando. Tem que criticar a sociedade e a cultura podre que é disseminada todos os dias. Quer exemplo? Olha a reportagem abaixo colocada na página principal do mesmo site, o IG: http://carnaval.ig.com.br/2015-02-11/resolvidas-e-livres-mulheres-esperam-beijar-ate-50-neste-carnaval.html

  3. edy Responder

    Vamos dizer não ao carnaval em sí que destroi muitas vidas e familias com o aumento da violência tanto sexual como pessoal, assaltos, acidentes de trânsito. NÃO AO CARNAVAL QUE RECEBE MILHÕES EM AUXILIO DO GOVERNO E GERA MUITAS CONSEQUÊNCIAS RUINS PARA O BRASIL.

  4. Ramildes Everlin Responder

    Evitaremos tudo,aids estupro, violência, se ficarmos em casa nos divertindo enquanto economizamos.
    Paranoia de feminismo é esse impressionante como uma minoria faz um estardalhaço com pouca coisa.


x