Coordenador da campanha de Aécio é acusado no Fantástico de corrupção

O empresário George Olímpio afirmou ter sido pressionado pelo senador José Agripino (DEM-RN) para pagamento de propina; em troca, ele seria acobertado em um esquema de corrupção envolvendo o Detran do estado; Agripino foi coordenador-geral da campanha do ex-presidenciável Aécio Neves, fato que foi...

1592 0

O empresário George Olímpio afirmou ter sido pressionado pelo senador José Agripino (DEM-RN) para pagamento de propina; em troca, ele seria acobertado em um esquema de corrupção envolvendo o Detran do estado. Agripino foi coordenador-geral da campanha do ex-presidenciável Aécio Neves, fato que foi ocultado na reportagem

Por Redação

No último domingo (22), o programa Fantástico, da Rede Globo, revelou um esquema de pagamento de propina a políticos do Rio Grande do Norte. As irregularidades foram delatadas pelo empresário George Olímpio e teriam ocorrido entre 2008 e 2011, quando ele montou um instituto para prestar serviços de cartório ao Detran do estado. O instituto tinha a função de cobrar uma taxa de cada contrato de carro financiado no Rio Grande do Norte. Mas, segundo o Ministério Público, nessa taxa estava embutido o custo da propina.

Em um dos trechos de seu depoimento, Olímpio cita o senador José Agripino Maia (DEM-RN), coordenador da campanha do ex-presidenciável Aécio Neves. Porém, qualquer referência ao candidato tucano foi ocultada na reportagem. Segundo o empresário, Agripino teria pedido mais de R$ 1 milhão no ano de 2010, em um encontro no próprio apartamento do político. “Subimos para parte de cima da cobertura de José Agripino, começamos a conversar e ele disse: ‘É, George, a informação que nós temos é que você deu R$ 5 milhões para a campanha de Iberê [governador à época]'”, afirmou.

De acordo com o delator, o senador ameaçou prejudicar o esquema ilícito realizado no Detran, se não recebesse o valor desejado. “Eu dei R$ 1 milhão para a campanha de Iberê. Ele disse: pois é, e tal, como é que você pode participar da nossa campanha? Eu falei R$ 200 mil. Disse: tenho condições de lhe conseguir esse dinheiro já. Estou lhe dando esses R$ 200 mil, na semana que vem lhe dou R$ 100 mil. Ele disse: ‘pronto, aí vai faltar R$ 700 mil para dar a mesma coisa que você deu para a campanha de Iberê’. Para mim, aquilo foi um aviso bastante claro de que ou você participa ou você perde a inspeção. Uma forma muito sutil, mas uma forma de chantagem; R$ 1,150 milhão foi dado em troca de manter a inspeção”, contou.

A inspeção a que ele se refere diz respeito à compra de uma lei que torna obrigatória a inspeção veicular no estado, mesmo naqueles veículos que acabaram de sair da fábrica, conforme explicou o promotor de Justiça Paulo Batista Lopes Neto. Para a lei ser aprovada rapidamente, George diz que contou com a ajuda do deputado Ezequiel Ferreira, do PMDB, hoje presidente da Assembleia Legislativa.

Na sexta-feira (20), o procurador-geral da Justiça denunciou Ezequiel, ou seja, entregou a acusação formal ao juiz por crime de corrupção passiva. O valor da propina foi pago, mas a inspeção nunca chegou a funcionar porque, ainda em 2011, o Ministério Público descobriu todo o esquema. Na ocasião, 34 envolvidos foram denunciados, inclusive George Olímpio. Mas foi só em 2014 que ele decidiu contar tudo. Procurado, o senador José Agripino negou qualquer envolvimento com atos de corrupção e disse não fazer parte das negociações comandadas pelo empresário.

Foto de capa: Moreira Mariz/Agência Senado



No artigo

x