Em cima do muro: PSDB apoia protestos, mas Aécio avisa que não vai

Senador disse que optou por não ir para combater discurso do "terceiro turno". Esta não é a primeira vez que o tucano apoia manifestações contra o governo e não comparece

579 0

Senador disse que optou por não ir para combater discurso do “terceiro turno”. Esta não é a primeira vez que o tucano apoia manifestações contra o governo e não comparece

Por Redação*

Nesta quarta-feira (11), o PSDB oficializou apoio aos atos pró-impeachment marcados para o próximo domingo (15) em nota assinada por suas lideranças, entre elas, o senador Aécio Neves. Este, contudo, afirmou horas depois que não comparecerá às manifestações.

“Nossos companheiros estarão nas ruas do Brasil, mas eu optei por não ir para não dar força a esse discurso de que estamos vivendo um terceiro turno”, afirmou Aécio, após reunião da direção executiva do partido em Brasília. Questionado sobre a postura dos tucanos em relação ao impeachment de Dilma Rousseff (PT), o senador, presidente nacional da sigla, mais uma vez demonstrou posicionamento dúbio: “Não proibimos a palavra impeachment, mas essa não é nossa agenda neste momento”.

Essa não é a primeira vez em que Aécio anuncia adesão a passeatas contra o governo mas, no final das contas, não aparece. Antes do protesto contra a presidenta Dilma  realizado em 6 de dezembro, ele chegou a divulgar nas redes vídeos em que conclamava as pessoas a saírem às ruas. Na hora e local marcados, contudo, não estava lá. Sua ausência irritou Lobão, um dos garotos-propaganda do movimento pró-impeachment. “Cadê o Aécio, o Caiado?”, questionou, à época. E reconheceu: “Estou pagando de otário”.

Embora o PSDB tente se distanciar da pecha de “apoiador do impeachment”, outros de seus quadros, além de Neves, parecem animados para as manifestações do final de semana. Um deles é o senador Aloysio Nunes (SP). “[O panelaço] foi apenas um aperitivo do que vai acontecer dia 15″, declarou na segunda-feira (9), em referência à mobilização ocorrida na noite anterior, em algumas cidades, durante o pronunciamento da presidenta na TV e no rádio. Diferente do colega de partido, Nunes já confirmou presença no ato de domingo.

O também senador Álvaro Dias (PR) falou sobre as manifestações do dia 15. Segundo o parlamentar, elas serão uma “oposição ao status quo, oposição a este modelo, oposição a este governo, oposição a estes erros, a estes escândalos”, assim como o panelaço da noite de domingo.

*Com informações de O Estado de S. Paulo 

(Foto: Marri Nogueira/Agência Senado)



No artigo

x