Para parte da mídia internacional, protesto pró-impeachment foi da “classe média branca”

De acordo com o jornal britânico The Guardian, os manifestantes eram “predominantemente brancos e de classe média e tomaram as ruas para pedir o impeachment da presidenta e, alguns, um golpe militar”

1171 0

De acordo com o jornal britânico The Guardian, os manifestantes eram “predominantemente brancos e de classe média e tomaram as ruas para pedir o impeachment da presidenta e, alguns, um golpe militar”

Por Redação

As manifestações que aconteceram em todo o Brasil contra o governo da presidenta Dilma Rousseff (PT), ontem (15), foram destaque nos principais veículos de comunicação internacionais. Para a maioria deles, os protestos foram, majoritariamente, constituídos pela “classe média branca”.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, os manifestantes eram “predominantemente brancos e de classe média e tomaram as ruas para pedir o impeachment da presidenta e, alguns, um golpe militar”, publicou. Ainda segundo o periódico britânico, “entre 10 e 20 mil pessoas brancas, de classe média, cantaram o hino nacional e marcharam pela orla de Copacabana”.

O periódico britânico The Guardian destacou a participação da classe média branca nos protestos
O periódico britânico The Guardian destacou a participação da classe média branca nos protestos

Na Espanha, o jornal El Mundo considerou que os manifestantes apresentavam características “patrióticas e predominantemente branca e média alta”. O também espanhol El País disse que “as manifestações se destacaram pela participação da classe média”. Já o El Diário enfatizou o protesto em Brasília, citando que “a Esplanada dos Ministérios foi ocupada por milhares de pessoas, em sua maioria brancas, pedindo o impeachment da presidenta”.

O diário argentino Notas ressaltou as demandas dos manifestantes. Segundo o site, “os manifestantes pediram intervenção militar e fizeram comparações entre o Brasil, Cuba e Venezuela. Pessoas vestindo camisetas vermelhas e jornalistas da grande mídia foram perseguidos por uma multidão vestida de verde e amarelo”, destacou.

Foto: Orlando Kissner/ Fotos Públicas



No artigo

x