Mãe denuncia caso de racismo vivido pela filha: “Sua preta, testa de bater bife”

Em desabafo que ganhou o Facebook nos últimos dias, Camila dos Santos Reis conta sobre as ofensas racistas recebidas pela filha no condomínio onde vive a família, no ABC Paulista; "fico imaginando quantas crianças e adolescentes passam por esse tipo de situação todos os...

2349 0

Em desabafo que ganhou o Facebook nos últimos dias, Camila dos Santos Reis fala sobre as ofensas racistas recebidas pela filha no condomínio onde vive a família, no ABC Paulista. “Fico imaginando quantas crianças e adolescentes passam por esse tipo de situação todos os dias e simplesmente não fazem nada, por medo ou por vergonha”, escreveu em post

Por Redação

Na última semana, Camila dos Santos Reis recorreu às redes sociais para denunciar o episódio de racismo sofrido pela filha Lorena, de 12 anos. A família, composta também pelo pai, Cristiano, vive em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.

Lorena, uma menina negra, foi ofendida por colegas que moram em seu condomínio. Em um grupo de Whatsapp do qual participava, dois garotos lhe mandavam mensagens racistas. “Sua preta, testa de bater bife do caralho”, “Toda vez que eu encontrar ela na minha frente eu vou zoar até ela chorar” e “Eu sou racista mesmo, quando eu quero ser racista eu sou racista, entendeu?” são alguns exemplos. Outras faziam alusão a seu cabelo: “Cabelo de movediça, cabelo de miojo, cabelo de macarrão”.

Um dos recados, enviado em forma da áudio, foi repassado à mãe. “Olha como eu sofro”, escreveu Lorena antes de encaminhá-lo. “Foram 53 segundos de ofensas horrorizantes, palavrões ofensivos, a nível físico, racial e por incrível que pareça sexual, vindas de um garoto de aproximadamente 13 anos, morador do condomínio onde vivemos”, escreveu Camila em post divulgado no Facebook.

Ela então teve acesso a uma sequência de mais de 20 áudios semelhantes ao primeiro. “Nesta hora meu instinto protetor materno bateu mais alto, me deu um desespero tão grande, uma vontade imensa de fazer com que aquilo não tivesse acontecido, de tentar impedir aquela situação, uma falta de ar, eu não estava acreditando que aquilo estava acontecendo, eu não conseguia acreditar que um ser humano nascido no século XXI poderia raciocinar de maneira tão preconceituosa e cruel”, adicionou.

“Fico imaginando quantas crianças e adolescentes passam por esse tipo de situação todos os dias e simplesmente não fazem nada, por medo ou por vergonha. Ser negro não é uma vergonha, a pele negra carrega uma história muito longa cheia de lutas, conquistas e vitórias, Negro é lindo! Vergonhoso mesmo é agir de forma tão preconceituosa, primitiva, covarde e cruel”, disse a mãe de Lorena.

Camila ainda destacou que o episódio é recente. “Pasmem… Para aqueles que pensam que racismo é coisa do passado, isso aconteceu em 31/03/2015 no Brasil, país da miscigenação”, afirmou. “Minha vontade é gritar bem alto ‘não ao racismo’! Tolerância zero.”

Se Camila literalmente não gritou, as redes ecoaram seu protesto. Até o fechamento desta nota, sua publicação já havia sido curtida mais de 98 mil vezes e tinha quase 70 mil compartilhamentos. Inúmeras manifestações de apoio também foram postadas em seu perfil . Algumas pessoas contaram, inclusive, suas próprias histórias.

Leia também – Racismo na infância: as marcas da exclusão

RACISMO! Desabafo…. De uma mãe de filha Negra!Não estava em casa quando recebi via Whatsapp uma mensagem de voz do…

Posted by Camila Dos Santos Reis on Miércoles, 1 de abril de 2015



No artigo

x