5 livros para entender a história da corrupção no Brasil

A corrupção no Brasil não nasceu de geração espontânea e sempre foi varrida para debaixo do tapete, é uma velha senhora que por aqui permaneceu

3976 0

A corrupção no Brasil não nasceu de geração espontânea e sempre foi varrida para debaixo do tapete, é uma velha senhora que por aqui permaneceu

Por Léa Maria Aarão Reis, da Carta Maior

Não se sabe se a presidente Dilma Rousseff pensou em Bertolt Brecht quando se referiu à corrupção, no Brasil, como “uma velha senhora”. É certo que quis dizer que a corrupção, no Brasil, não nasceu de geração espontânea. Foi varrida para debaixo do tapete sempre e escamoteada com mais afinco dos tempos da ditadura para cá. As raízes são históricas, e sua origem, colonial. Mas nem todos os cidadãos sabem disto. Ou fingem não saber. Os leitores exclusivos dos jornais e das revistas da velha mídia, por exemplo. Os viciados nas venenosas emissões diárias e manipuladoras (há 50 anos!) da TV brasileira; os cidadãos corrompidos – sim; corrompidos – pelo noticiário torcido, distorcido e retorcido, pelas informações dos jornalistas cães de guarda, dos cínicos comentaristas, e pela sutileza ideológica encravada em argumentos e em personagens das decadentes novelas. E os indivíduos de má fé. Os ignorantes. Os que têm interesse, não apenas político, mas pessoal também, de fazer crer que a velha senhora aterrissou aqui há apenas doze anos. Os de direita. Os coxinhas do domingo 15 de março passado.

Considerando então as dificuldades da informação correta e plena chegar ao cidadão, e com o auxílio de internautas atentos e de ótima memória, compilaram-se alguns dos livros que podem jogar luz – não é uma das obrigações do jornalista, a de jogar luz onde há sombras? – na devastação que a velha senhora vem fazendo aqui de várias décadas para cá. Os títulos:

O Brasil privatizado – um balanço do desmonte do Estado, do saudoso jornalista Aloysio Biondi. Editora Fundação Perseu Abramo. Primeira edição: 1999

A privataria tucana, do jornalista Amaury Ribeiro Jr, vencedor de três prêmios Esso, quatro vezes Premio Wladimir Herzog. Da Geração Editorial.

Governo Fernando Henrique Cardoso – Decadência e Corrupção, de Henrique Fontana. Editora Brasília.

Quem pagou a conta? – A CIA na guerra fria das culturas,* da jornalista francesa Stonor Saunders, editora de Artes da revista britânica New Stateman.

O Brasil do Possível*, da jornalista francesa Brigitte Hersaut Leoni. Editora Nova Fronteira, 1997.

–  A História Secreta da Rede Globo**, de Daniel Heiz. Editora Tchê e, posteriormente, Editora Dom Quixote. O livro está disponibilizado na internet

E também o documentário Muito Além do Cidadão Kane que andou censurado no Brasil durante vários anos.

Com este cardápio de leituras edificantes e esclarecedoras vê-se que a velha senhora indigna veio nos visitar várias décadas atrás e aqui permaneceu, agindo em silêncio sob olhares complacentes. Só agora está se tentando colocá-la para fora da casa. Exatamente o contrário do que aqueles lá de cima, do começo do texto, apregoam.

*Nestes dois volumes as autoras se referem à tese defendida por FHC, na época, de que “países em desenvolvimento ou mais atrasados poderiam se desenvolver mantendo-se dependentes de outros países mais ricos”. Neles, também é registrada a contribuição da Fundação Ford, um dos braços da CIA, recebida pelo ex-presidente para fundar o Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento). 
 
**Neste volume se encontra farta documentação sobre o acordo entre a TV Globo e o grupo Time-Life e depoimentos em que se explicita, como objetivo, o “controle da opinião pública” brasileira através dos seus órgãos de divulgação. “Mais barato do que construir bases militares ou financiar tropas de ocupação.“

(Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas)



No artigo

x