Nem cadeia, nem caixão: legalizar o aborto!

Com o dia das mães chegando, é imprescindível falar sobre o quadro de medo constante em que vivem as mulheres brasileiras. Liderado por Eduardo Cunha, o Congresso Nacional está à todo vapor para retroceder...

689 0

Com o dia das mães chegando, é imprescindível falar sobre o quadro de medo constante em que vivem as mulheres brasileiras. Liderado por Eduardo Cunha, o Congresso Nacional está à todo vapor para retroceder e remover direitos reprodutivos já conquistados pelas mulheres. Há projetos que visam tornar ilegal o aborto em caso de gravidez gerada por estupro, o que condenaria milhares de mulheres e crianças a gestações causadas por violência hedionda.

Ao retirar direitos conquistados com tanta luta e suor, o Brasil corre o risco de se tornar um país ainda mais perigoso para as mulheres. Embora o aborto seja legalizado em três casos – estupro, risco de morte para a mãe e anencefalia fetal -, a escolha da mulher sobre seu próprio corpo ainda é um crime. Sem levar em consideração fatores como a falta de educação sexual de qualidade e a desinformação sobre métodos contraceptivos – incluindo seus riscos de falha -, a ilegalidade do aborto só é eficiente em condenar mulheres a mortes hemorrágicas e solitárias.

Infelizmente, nem toda mulher que engravida o faz porque quer. Muitas mulheres nem sequer sabem que o anticoncepcional pode perder seu efeito na presença de sintomas como vômito ou diarreia. Não há informação e também não há alternativas: nossa cultura empurra a maternidade para as mulheres e pune de diversas formas aquelas que não desejam ser mães.

As consequências nocivas desse quadro também não atingem somente as mulheres que, desesperadas, buscam por abortos clandestinos e inseguros. A maternidade compulsória também prejudica aquelas que dão continuidade a gestação, mas que não contam com suporte familiar e não possuem condições financeiras ou psicológicas para cuidar de uma criança. A impossibilidade de realmente escolher, com legítima consciência e informação, é algo que machuca toda as mulheres, incluindo as mães.

Portanto, para que a maternidade seja valorizada e cuidada, para que as mães brasileiras recebam assistência e não sofram com violência, é preciso se conscientizar sobre a questão do aborto. Precisamos lutar por sua legalização e para que o procedimento seja seguro e gratuito, acessível a todas as mulheres que assim desejarem. A realidade precisa ser encarada para derrubarmos os mitos que rodeiam o tema e garantir os direitos das mulheres.

Leia mais sobre o tema:

Cordel – Aborto

– Precisamos falar sobre aborto

– Aborto em ano de eleições, debater para desmistificar

– Aborto e machismo no mercado de trabalho

– Site reúne depoimentos de mulheres que fizeram abortos

– No Brasil, o aborto é crime com pena de morte

– Aborto legal e seguro é responsabilidade do Ministério da Saúde

– O Ministério da Saúde se acovarda e as mulheres sentem no útero

– 93% dos leitores da Fórum querem a descriminalização do aborto

– Quatro jovens mulheres afirmam: “Eu faria um aborto!”

Foto de capa: Reprodução / Facebook



No artigo

x