Fiesp faz seminário em SP para incentivar empresários brasileiros a investir em Cuba

Ministro de Comércio Exterior cubano afirmou à plateia formada por executivos que país vê investimento estrangeiro como “oportunidade importante” Por Patrícia Dichtchekenian, do Opera Mundi A Fiesp (Federação das Indústrias do...

763 0

Ministro de Comércio Exterior cubano afirmou à plateia formada por executivos que país vê investimento estrangeiro como “oportunidade importante”

Por Patrícia Dichtchekenian, do Opera Mundi

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) organizou um seminário nesta quinta-feira (7) intitulado “Novas Oportunidades e investimentos em Cuba” para mais de 200 pessoas. No evento, o ministro do Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro cubano, Rodrigo Malmierca, apresentou os benefícios  financeiros da ilha cubana para o empresariado brasileiro. “Não vemos o investimento estrangeiro como um mal necessário, mas como uma oportunidade importante para nós”, afirmou Malmierca ao público.

De acordo com o ministro cubano, as novas mudanças em curso em Cuba — como a retomada de diálogo com os EUA, a paulatina abertura comercial e a criação da zona econômica especial no porto de Mariel — fazem parte de uma política do governo presidido por Raúl Castro para “atualização do modelo econômico”.

No seminário, o ministro cubano destacou que a crise econômica a que a ilha foi submetida nos anos 1990, quando parou de receber importantes subsídios dos soviéticos com o desmantelamento do bloco, “está no passado” e já foi superada.  “Temos relações comerciais com 75 países e o PIB cresceu uma média de quase 5% nos últimos anos”, celebra. “Mas precisamos de investimento estrangeiro para que essa taxa continue a subir”, admite.

Para comprovar que Cuba é um ambiente propício para os negócios e para quebrar estigmas, o ministro pontuou os benefícios da ilha, como seu posicionamento geopolítico, as vantagens do elevado nível educacional e a consequente alta qualificação da mão-de-obra cubana.

Alguns obstáculos – admite – são as restrições de liquidez que o governo cubano enfrenta, assim como o embargo comercial e financeiro imposto pelos EUA no início da década de 1960.

Para Malmierca, o tema do processo de normalização das relações com as autoridades norte-americanas “está na moda”, mas que, concretamente, nada mudou. “Normalizar as relações significa o fim do bloqueio econômico. Isso não acontecerá de forma rápida, não é magia”, diz.

Efetivamente, o estímulo de entrada de capital estrangeiro é organizado por meio de uma “Carteira de Oportunidades”, que oferece quase 250 projetos em mais de 10 setores para desenvolver a infraestrutura industrial, fomentar a matriz energética, além de promover uma substituição de importações por uma política de diversificação de exportações na ilha caribenha.

“Temos o potencial muito maior para desenvolver com o Brasil. Tratamos o país com carinho. É difícil encontrar alguém mais parecido com um cubano do que um brasileiro, salvo o portunhol”, brinca Malmierca, que chegou a São Paulo após uma visita a Brasília, onde conversou com políticos sobre investimentos em Havana.

No evento, o brasileiro Alexandre Carpenter, co-presidente da Brascuba Cigarrilhos S.A., empresa cubano-brasileira de charutos fundada em 1995, ressaltou a alta capacitação dos cubanos na indústria. “É um triunfo que só esse país tem. Acho que se vocês quiserem investir em Cuba, o momento é agora. Eu não deixaria para depois, porque logo chegam os americanos”, sugeriu à plateia.

Evandro Daltro, da construtora OAS, disse ao Opera Mundi que foi ao seminário por curiosidade, afirmando ser importante ficar atento às necessidades de infraestrutura, como a construção de hotéis na ilha. “Fiquei surpreso. Não imaginava que a mão-de-obra cubana fosse tão especializada, muito mais do que em outros países da América do Sul. Isso é de fato um atrativo”.



No artigo

x