Professores da rede pública de SP decidem: a greve continua

Em assembleia realizada na tarde desta sexta-feira (8), docentes da rede estadual de ensino optaram pela continuidade da paralisação que, apesar de ignorada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), já dura quase dois meses; milhares de educadores ocupam, em protesto, as ruas da capital.

418 0

Em assembleia realizada na tarde desta sexta-feira (8), docentes da rede estadual de ensino optaram pela continuidade da paralisação que, apesar de ignorada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), já dura quase dois meses; milhares de educadores ocupam, em protesto, as ruas da capital 

Por Redação 

Mais uma vez, a decisão foi unânime. Em assembleia realizada na tarde desta sexta-feira (8) no vão livre do Masp, na avenida Paulista, os professores da rede estadual de ensino optaram pela continuidade da greve em São Paulo. Com a decisão de hoje, a paralisação completa 56 dias em meio às minimizações do governador Geraldo Alckmin (PSDB), que insiste em não reconhecer a existência da greve que atinge escolas de todo o estado.

Foi realizada uma reunião entre representantes do sindicato da categoria (APEOESP) e o governo, mas o encontro terminou sem acordo. A principal reivindicação dos professores é o reajuste salarial de 75,33%. O governo alegou, na ocasião, que a data-base da categoria seria em julho e que por isso não daria para saber como estaria a arrecadação do estado até lá. O sindicato, por sua vez, afirma que a data-base é em março.

Além do reajuste salarial, os professores reivindicam melhores condições de trabalho, como o fim das salas de aula superlotadas. Recentemente, centenas de salas foram fechadas, o que ocasionou a demissão de 20 mil professores e sobrecarregou o trabalho dos docentes remanescentes.

Depois da assembleia na avenida Paulista, milhares de professores tomaram as ruas da capital em marcha para protestar contra o descaso do governador. Neste momento, a marcha está na marginal Pinheiros, zona oeste da capital.

Leia mais: 

Justiça paulista manda Alckmin pagar o salário de professores grevistas 

Foto: Inácio Teixeira/Jornalistas Livres 

 

 

 



No artigo

x