PT reivindicará mandato de Marta Suplicy na Justiça Eleitoral

Segundo presidente do Diretório Estadual do PT em São Paulo, Emídio de Souza, pedido de requerimento deve ser protocolado no Tribunal Superior Eleitoral até o início da próxima semana.

486 0

Segundo presidente do Diretório Estadual do PT em São Paulo, Emídio de Souza, pedido de requerimento deve ser protocolado no Tribunal Superior Eleitoral até o início da próxima semana

Por Redação

O Diretório Estadual do PT em São Paulo definiu, em reunião realizada na última segunda-feira (12), que reivindicará na Justiça Eleitoral o mandato da senadora Marta Suplicy (SP), que anunciou sua desfiliação do partido no fim do mês passado.

Em nota assinada por seu presidente, Emídio de Souza, o comando do PT-SP informou que a decisão foi aprovada por “unanimidade dos presentes” e que Marta teria se recusado a dialogar com a sigla por sucessivas vezes. O texto diz também que a senadora “formalizou sua desfiliação do partido movida unicamente por interesses eleitorais e desmedido personalismo”.

Souza afirmou à Folha de S. Paulo que o setor jurídico do PT finalizará ainda nesta semana o requerimento de mandato, que deverá ser protocolado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até o início da próxima semana. 

Leia, na íntegra, a nota do PT:

Em reunião realizada na segunda-feira (11) na sede do Diretório do PT-SP, a Comissão Executiva Estadual aprovou, por unanimidade dos presentes, requerer na Justiça Eleitoral o mandato da senadora Marta Suplicy.

Após sucessivas recusas em dialogar com a direção do PT sobre as razões de suas supostas insatisfações, Marta formalizou sua desfiliação do partido movida unicamente por interesses eleitorais e desmedido personalismo.

O PT nunca cerceou as atividades partidárias ou parlamentares da atual senadora, ao contrário disso, Marta Suplicy foi sucessivamente prestigiada ao longo dos anos, com o apoio da militância e das direções, sendo eleita deputada federal, prefeita, senadora e nomeada duas vezes ministra de Estado.

O aperfeiçoamento da nossa democracia passa pelo fortalecimento da fidelidade partidária e pelo respeito à vontade do eleitor. Os projetos pessoais e as conveniências do oportunismo eleitoral não podem se sobrepor aos projetos coletivos, que lhe dão abrigo, e nem deformar a vontade do eleitor expressa nas urnas.

São Paulo, 12 de maio de 2015.

Emídio de Souza
Presidente do Diretório Estadual PT-SP”

(Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)



No artigo

x