Professor universitário flagrado em vaga de idoso participa de protesto contra a corrupção

O professor de Direito Henrique Quintanilha aparece em vídeo tentando intimidar agentes de trânsito, ao dizer que tem o ‘WhatsApp’ do prefeito ACM Neto; ironicamente, ele é conhecido nas redes sociais por criticar o governo federal e apoiar movimentos que afirmam combater a corrupção...

2104 0

O professor de Direito Henrique Quintanilha aparece em vídeo tentando intimidar agentes de trânsito, ao dizer que tem o ‘WhatsApp’ do prefeito ACM Neto; ironicamente, ele é conhecido nas redes sociais por criticar o governo federal e apoiar movimentos que afirmam combater a corrupção no país

Por Redação

O professor de Direito Henrique Quintanilha foi bastante criticado após a publicação de um vídeo no YouTube em que aparece reclamando da multa que levou por estacionar na vaga exclusiva para idosos em um shopping de Salvador.

Ao tentar argumentar, ele disse que cometeu a infração porque pagava R$ 450,00 em uma academia que não oferecia estacionamento ou manobrista. Quando os agentes de trânsito disseram que não teriam autoridade para retirar a multa, disparou: “E quem tem? O ACM Neto, que malha aqui? Eu tenho o WhatsApp dele!”.

Uma das agentes da Transalvador, responsável pela fiscalização, rebateu no vídeo os argumentos do professor universitário. “Nós criticamos tanto a postura errada, a corrupção, e o que é isso? Gente jovem, que não tem necessidade especial, e se locupleta de uma vaga dessa. Corrupção, fraude, falta de educação”, ressaltou.

O que talvez ela não soubesse é que Quintanilha é conhecido nas redes sociais por apoiar movimentos que se dizem contra a corrupção no país. Em seu perfil no Facebook, ele divulga com frequência cartazes de grupos como “Brasil Livre” e “Vem pra Rua”, critica o governo federal e se declara eleitor do ex-presidenciável Aécio Neves (PSDB).

“O povo está cansado de migalhas e de ser tratado como massa de manobra quando chega as eleições! Basta de PT #ForaDilma”, escreveu. Na internet, circula ainda um abaixo-assinado contra a renovação do contrato de Quintanilha na Universidade Federal da Bahia (UFBA), alegando que o profissional faltava às aulas, não cumpria horários e nem o programa correto das disciplinas.

Assista ao vídeo:

 



No artigo

x