Suspeito de assalto é amarrado a poste e espancado até a morte no Maranhão

O rapaz foi agredido com socos, chutes, pedradas e garrafadas, não resistiu e perdeu a vida ainda no local, por conta de uma hemorragia. Esse não é o primeiro caso protagonizado por "justiceiros": em 2014, pelo menos três casos semelhantes atingiram repercussão

2525 1

O rapaz foi agredido com socos, chutes, pedradas e garrafadas, não resistiu e perdeu a vida ainda no local, por conta de uma hemorragia. Esse não é o primeiro caso protagonizado por “justiceiros”: em 2014, pelo menos três casos semelhantes atingiram repercussão 

Por Redação*

homem-amarrado-a-poste-espancado-ate-morte-maranhao
Cleydison Pereira Silva tinha 29 anos (Foto: Biné Morais)

Um homem que teria cometido um assalto em São Luís (MA) na última segunda-feira (5) foi amarrado a um poste e espancado até a morte por um grupo de pessoas. Outro suspeito de ter praticado o crime, um adolescente, também linchado pela população, foi entregue à Delegacia do Adolescente Infrator (DAI) com escoriações pelo corpo.

De acordo com a Polícia Civil, a vítima era Cleydison Pereira Silva, de 29 anos. Ele teve suas roupas rasgadas e as mãos, pernas e tronco presos a um poste de luz. Agredido com socos, chutes, pedradas e garrafadas, não resistiu e perdeu a vida ainda no local, por conta de uma hemorragia.

O pai de Cleydison reconheceu o corpo do filho e disse não saber de seu envolvimentos com crimes. A polícia investiga o caso, por meio da Delegacia de Homicídios da capital maranhense, que tenta identificar os autores do assassinato.

Cleydison está longe de ser o primeiro alvo de “justiceiros” no Brasil: em 2014, pelo menos três episódios semelhantes alcançaram repercussão nacional. Em janeiro, um adolescente negro, também suspeito de ter cometido um assalto, foi amarrado por 14 homens em um poste no Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro, e linchado logo em seguida. No mês seguinte, em Teresina, capital do Piauí, um homem suspeito de roubo, após ser espancado, foi arremessado sobre um formigueiro com mãos e braços amarrados – à época, um jornal estrangeiro se referiu ao caso como “justiça à brasileira”. Em maio, no Guarujá, litoral de São Paulo, Fabiane Maria de Jesus foi assassinada, depois de linchada por diversas pessoas. Isso porque uma página popular no Facebook, com notícias locais, divulgou um boato de que ela seria responsável por sequestrar crianças para a “prática de magia negra”.

*Com informações do Extra



No artigo