Turca mata o marido após histórico de agressões e ganha solidariedade de outras vítimas de violência

Çilem Dogan diz não estar arrependida do que fez; ela registrou diversas ocorrências por abuso e agressões ao longo do casamento e conta que reagiu após ser espancada e se recusar a ser enviada a um prostíbulo para ganhar dinheiro.

667 0

Çilem Dogan diz não estar arrependida do que fez; ela registrou diversas ocorrências por abuso e agressões ao longo do casamento e conta que reagiu após ser espancada e se recusar a ser enviada a um prostíbulo para ganhar dinheiro

Por Redação*

A turca Çilem Dogan, de 28 anos, está sendo acusada pela morte do marido, Hasan Karabulut, de 33 anos. Ela informou aos investigadores que não se arrepende do que fez, pois foi abusada durante todo o seu casamento e já tinha registrado diversas ocorrências na delegacia.

A violência chegou ao ponto de Karabulut tentar forçá-la a ir a um prostíbulo para ganhar dinheiro. Ao protestar, ela foi agredida mais uma vez. Foi então que Dogan diz ter atirado no agressor e deixado a casa com a filha.

“Será que as mulheres sempre têm que morrer?”, perguntou aos policiais, justificando a sua reação. Nas redes sociais, a história dela ganhou destaque e foi defendida por outras vítimas, tornando-se um símbolo da luta contra a violência doméstica.


* Com informações de Marie Claire

Foto de capa: Reprodução/Twitter



No artigo

x