Pais ausentes, feridas de gênero

É preciso avançar para construir uma sociedade em que os homens não negligenciem seus papéis domésticos e paternos

4649 0

É preciso avançar para construir uma sociedade em que os homens não negligenciem seus papéis domésticos e paternos

Por Jarid Arraes

Esta é uma matéria da Fórum Semanal. Confira o conteúdo especial da edição 208 clicando aqui

O aparecimento de propagandas com homens sorridentes e crianças felizes em seus braços indica que o Dia dos Pais está chegando. Entre anúncios e mensagens compartilhadas nas redes sociais, chama atenção a quantidade de pessoas que não parabenizam seus pais, mas agradecem às suas mães por terem desempenhado duas funções durante toda a vida. Na realidade que ultrapassa os sorrisos da televisão, muita gente não teve um pai presente e faz questão de falar sobre isso.

Com relação às questões de gênero, sobretudo quando os papéis desempenhados por homens e mulheres são o foco do debate, não é difícil constatar que ainda são necessários muitos avanços. Vivemos uma realidade em que os homens se envolvem muito pouco na criação e educação das crianças, principalmente quando isso implica em fazer mais do que “ajudar” e requer a divisão igualitária das funções domésticas, como o cuidado com a limpeza e o preparo de refeições.

Os homens que se envolvem no universo doméstico e familiar são tão poucos que toda contribuição masculina se torna motivo de celebração e os famosos “pais que ajudam” ganham todas as pompas e elogios. Mas ajudar é diferente de ser participativo; na prática, a mentalidade de que bastam pequenas contribuições esporádicas ainda está baseada nas mesmas ideias machistas de um passado não tão distante, quando a presença dos pais na vida dos filhos era mínima e, em muitos casos, nem sequer existia.

Pais que somem

A estudante Débora Raphaeta conta que cresceu morando com seus pais e irmãos, mas que o pai sempre estava ausente, seja porque viajava por meses a trabalho ou porque, quando estava em casa, só se dedicava a atividades individuais como assistir televisão. Seus pais se divorciaram e o quadro piorou quando a pensão passou a ser um problema judicial. Depois de muitas brigas envolvendo o assunto, Débora e seu pai cortaram o contato e nunca mais se falaram.

“Só percebi o impacto que isso me causou depois de adulta, quando tinha dificuldade pra achar normal relação de pais e filhos onde os pais eram presentes, educavam, se preocupavam”, relata. “Na minha cabeça, isso não existia, não era papel de um pai tudo isso, só da mãe. Até porque, além do meu caso, convivi com diversos amigos que eram assim também. Lembro que nas primeiras vezes que conheci pais bacanas eu revia toda minha vida e o que teria sido diferente se o meu fosse assim, se eu tivesse tido um pai”.

Para a produtora cultural Isis Maria, o distanciamento também aconteceu após uma separação. “Nasci e um tempo depois eles se separaram e ele começou a namorar outra moça, que não o deixava me visitar por ciúme, medo de recaídas, segundo meu próprio pai”, conta. “Minha mãe sempre me contou sobre ele, respondia a tudo que eu perguntava e me dizia que eu podia ir atrás dele quando quisesse, que ela sabia onde o encontrar. Eu achava engraçado, porque minha cidade é pequena e nunca o vi na rua”. No entanto, Isis o encontrou pela primeira vez quando tinha 13 anos, após a morte de seu avô – única figura masculina que tinha como referência. Isis Maria conta que foi ao bar do qual seu pai era proprietário, mas o encontro foi “estranho” e acabou com a promessa de se encontrarem novamente. Seu pai nunca mais apareceu.

Mesmo quando o desaparecimento do pai não é definitivo, a lacuna deixada pelo comportamento negligente não é facilmente preenchida. A estudante de Arquitetura Stephanie Ribeiro também cresceu sem o seu pai, que saiu de casa quando ela tinha apenas três anos de idade. “No começo foi bem difícil, eu costumava ter pesadelos e chorar”, relata. Depois de algum tempo, quando Ribeiro tinha 10 anos, o seu pai voltou e se propôs a ser mais participativo em sua vida – o que não aconteceu. “Ele não sabe quais são meus gostos, o que faço, as minhas lutas e posicionamentos, ele é totalmente alheio a minha vida, inclusive já chegou a me esquecer uma vez quando eu tinha uns 14 anos na frente da escola. Acho que se ele não tivesse aparecido por poucos motivos não daria no mesmo, eu ainda me sinto sem pai”, declara.

Além da ausência paterna, o que essas três mulheres possuem em comum é a participação em discussões e reflexões feministas e a presença significativa de suas mães, tias e avós em todo o processo de desenvolvimento infantil e adulto. A participação das suas mães e as lições que ensinaram sobre independência foram fundamentais para que se tornassem mulheres com maior senso crítico e coragem. “Eu me considero com muita sorte e privilegiada, minha mãe sempre foi presente na minha vida, sendo amiga, mãe, irmã, isso acabou fortalecendo nossos laços, nós aprendemos juntas a ser fortes e nos espelhar uma na outra, não tem um dia que não percebo o quanto tenho sorte por ter a mãe que tenho”, afirma Ribeiro.

Para Débora Raphaeta, sua mãe foi mais que o suficiente: “vale pelos dois tranquilamente”, afirma. “Minha  mãe é uma mulher incrível e meu pai sempre foi irresponsável. Não vejo minha vida de outra forma, não me imagino morando ou tendo contato com ele”, diz Raphaeta. “Minha mãe sempre trabalhou e teve suas coisas, saiu, namorou e isso me mostrou muito sobre independência, autonomia, liberdade sexual”, compartilha Isis Maria. “Ela sempre me estimulou na busca dos meus desejos, foi a primeira a me incentivar a ir morar em outra cidade e não tenho certeza do que seria se tivesse um pai aí”.

Mas a excelente participação materna em suas vidas não anula o preconceito das pessoas ao redor, tampouco as dificuldades enfrentadas pelas mulheres que criam seus filhos sozinhas. Os estigmas impostos contra as ditas “mães solteiras” ainda hoje existem e chegam acompanhados de expressões machistas e ideias estereotipadas. “Lembro das piadas toscas sobre eu, também negra, ser a próxima a engravidar cedo, que não tinha um pai que me botasse na linha e uma mãe que provavelmente não ligaria se eu transasse cedo, como se o fato de não ter pai fizesse automaticamente minha mãe ser uma pessoa que não se importa com o filho”, conta Isis Maria.

Mesmo para mulheres feministas, que compreendem as razões por trás de todas essas ideias preconceituosas e misóginas, ainda existe o desafio de enfrentar a naturalização da ausência paterna. No caso de Isis Maria, que hoje é mãe, ainda há uma certa dificuldade em dividir as tarefas com seu companheiro. “Sempre vi minha mãe fazer tudo e ter ajuda dos familiares, mas a responsabilidade ser toda dela. A referência que eu tenho é essa e muitas vezes faço as coisas sozinha”.

Por isso, é preciso nomear a origem da ausência masculina no cuidado dos filhos e tarefas domésticas. Essa reflexão não pode ser exclusividade de quem é feminista ou de quem teve um pai ausente, pois a falta de participação dos pais é algo que prejudica todas as crianças e mulheres – é uma reprodução de uma injustiça social que precisa ser eliminada.

Para Stephanie Ribeiro, Isis Maria e Débora Raphaeta, tudo faz parte de um quadro de machismo que dá aos homens o direito de não se envolverem na vida dos seus filhos e lhes permite descanso enquanto as mulheres executam jornadas triplas de trabalho. “Existe uma construção da paternidade muito torta, onde os homens são vistos como participantes especiais no que diz respeito a criação dos seus próprios filhos e as mulheres as protagonistas, então nessa escala, mesmo que ambos sejam pais, se ele abandona, a sociedade trata de uma forma, se ela abandona, de outra. Só isso já da um passe livre para a abstenção masculina na educação, criação e participação na vida de seus filhos”, afirma Ribeiro.

E é aí que entra a celebração dos pais que ajudam trocando uma fralda ou segurando o bebê enquanto a mulher toma banho. Tão pouco parece muito em uma cultura que naturaliza a ausência paterna. “É fácil se ausentar da responsabilidade e se apoiar em pagamentos de pensão, em passar um dia com a criança e ser um herói sem perder sua liberdade”, critica Isis Maria. “Mesmo em famílias que tem pais, eu vejo muito nos parquinhos somente mães. Tenho amigas que ficam com os filhos nos fins de semana enquanto os pais vão ao churrasco, porque precisam desanuviar da semana pesada que tiveram. A perpetuação da cultura de que a mulher é que tem responsabilidade com as crianças enquanto os pais trabalham e que eles precisam descansar ainda persiste”.

“É bem absurdo ver que quando um pai desempenha as mesmas tarefas que uma mulher ao cuidar do filho, ele é aplaudido de pé, como se tivesse feito uma coisa mágica, enquanto a mãe não fez mais que a obrigação”, provoca Raphaeta.

Pai presente e consciente

Embora os desafios sejam enormes, é possível encontrar lampejos de mudança no meio das mensagens compartilhadas pelas redes sociais. Luiz de Jesus, que é administrador e pastor Batista, compartilha imagens que celebram o dia dos pais em grupos que discutem questões raciais. Para ele, que também teve um pai ausente e foi criado por sua mãe e sua avó, a ressignificação da figura paterna é também um processo de cura.

Imagem: Reprodução / Facebook
Imagem: Reprodução / Facebook

“A ausência do meu pai em minha vida criou uma lacuna e uma ferida emocional tão grande que só foi curada quando eu estava com trinta anos de idade, em uma conversa informal com uma psicóloga”, introduz. “Essa conversa se deu próximo ao Dia do Pais e eu tinha a informação que o aniversário do meu pai era dia 10 de Agosto e sempre próximo ao Dia dos Pais. Desde a infância, nessa época eu ficava muito deprimido e me batia uma saudade e eu não conseguia identificar a origem dela. Eu pensava: ‘Como posso ter saudade de alguém com quem nunca convivi?’. Levava a gravatinha feita na escola para a casa e entregava para a minha mãe e dizia: ‘Mãe, a senhora é mãe e pai’. Mas na verdade, não era a ela que eu queria entregar. Eu queria entregar ao meu pai”, relata. “E nessa conversa com a psicóloga, ela me ajudou a identificar que aquele sentimento não era saudade e sim mágoa. Mágoa por ele não estar presente na minha vida. A palavra saudade era mais bonita do que mágoa. E ali naquela mesa eu chorei copiosamente, mas foi libertador. Pois eu pude perdoar o meu pai pela ausência dele na minha vida”, conta Luiz, que após esse episódio escreveu dois textos: a poesia ‘Meu pai… meu herói’ e a crônica ‘Ausência’, onde expressa o que gostaria de ter dito a seu pai e a dor da sua ausência. “Soube que ele faleceu e não pude dizer isso a ele pessoalmente”, relata.

Luiz de Jesus tem quatro filhos, um rapaz de 25 anos e três garotos com 7, 4 e 1 ano de idade. Recentemente, recebeu a notícia de que será pai de uma menina. Ele acredita que a sua participação é fundamental na educação dos seus filhos e cuidado com a família. Para Luiz de Jesus, a única justificativa para que um pai não assuma a paternidade de um filho e se mantenha ausente é a morte, mas também analisa essa realidade tão comum com olhos socialmente críticos, reconhecendo o papel do machismo nesse quadro. “É uma questão de formação cultural. Desde pequenos, somos ensinados a brincar de carrinhos e jogar bola e as meninas a brincar de boneca, de casinha e fazer comidinha. Homem não pode brincar de boneca e nem de casinha. A mensagem subliminar passada é: ‘os homens de divertem e as mulheres tomam conta dos filhos e da casa’. A participação de nós, homens, nas tarefas domésticas é algo novo e que até o século passado era visto como algo vexatório. O marido que lavava, passava roupa e lavava louça era visto como fraco, pois isso seria tarefa da mulher. É necessário desconstruir todo um padrão machista ao qual fomos expostos durante anos para que nós homens sejamos mais participativos nas atribuições domésticas. Meus filhos não terão essa dificuldade; eles querem participar das tarefas domésticas”, afirma.

Não por acaso, Luiz de Jesus também utiliza a data comemorativa como uma oportunidade para promover conscientização nos espaços de militância contra o racismo. Com as imagens e mensagens que compartilha, o pastor desafia estereótipos e promove a troca de afeto e apoio entre pais e crianças negras. Para ele, na luta contra o racismo, as referências familiares são parte do fortalecimento necessário à resistência. “Eu lembro que os meus amigos de infância falavam ‘meu pai fez isso, meu pai fez aquilo’ e eu ficava frustrado por não poder falar do meu pai. Agora falando como uma criança negra, como fez falta meu pai durante o racismo que sofri na minha infância”, compartilha.

Apesar do sofrimento, a mensagem que Luiz de Jesus quer transmitir é um misto de superação e postura conselheira. Na entrevista concedida, Luiz fez questão de deixar um recado para as pessoas que viveram experiências como a dele: “Gostaria de dizer aos pais que estão lendo essa matéria que jamais se cobrem por não conseguirem dar aquele presente bacana para o seu filho, a viagem na Disney, o celular top, o tênis da hora. Há muitas crianças que têm tudo isso e um pouco mais, mas não têm o maior presente que um filho pode ter que é um pai presente em sua vida”, declara.

Segundo o seu relato, até mesmo um ato como fazer a oração intitulada “Pai Nosso”, ou chamar Deus de “Pai”, chegou a ser um desafio – algo que para um homem que se tornou um pastor tem muito significado. “Era uma palavra totalmente sem sentido, de alguém tão distante que não se importava com a minha existência”, revela. Por isso, ele faz questão de falar com outros filhos de pais ausentes: “É possível superar essa dor. Faça como eu fiz, libere o perdão a seu pai por tê-lo abandonado. Procure-o e diga isso pessoalmente. Talvez ele não faça ideia do tamanho da dor que causou em você. Mas se ele já faleceu, apenas o perdoe e deixe que a paz advinda desse sentimento inunde o seu coração e experimentará e verá que é possível ser um pai, mesmo não tendo um. Entenderá então que ser pai é uma decisão, ser pai é uma escolha, ser pai é uma arte de amor”, finaliza.

Independentemente das escolhas individuais de cada pessoa e das configurações familiares mais diversas – sejam famílias adotivas, de pais ou mães solteiros, avós, tios ou mesmo de casais homossexuais -, suas vivências mais íntimas podem revelar uma grande base política sobre papéis de gênero. Com esse conhecimento, podemos avançar e construir uma sociedade em que os homens não negligenciem seus papéis domésticos e paternos.

Foto de capa: Reprodução / Facebook



No artigo

x