Internautas denunciam personagem racista do programa ‘Pânico na Band’

Com direito a "black face", o personagem interpretado por Eduardo Sterblitch se comporta como um selvagem, ridiculariza religiões de matriz africana e faz danças e gestos que remetem a um macaco; preconceito repercutiu até em jornal senegalês: "O Brasil é um país racista? Veja...

2232 0

Com direito a “black face”, o personagem interpretado por Eduardo Sterblitch se comporta como um selvagem, ridiculariza religiões de matriz africana e faz danças e gestos que remetem a um macaco; preconceito repercutiu até em jornal senegalês: “O Brasil é um país racista? Veja como eles riem dos africanos!”

Por Redação

Exibido na TV aberta todas as noites de domingo, o programa “Pânico na Band” vem fazendo, nas últimas semanas, apologia ao racismo com o novo personagem “Africano”. Interpretado por Eduardo Sterblitch, que é branco e se pinta de preto (black face) para representar um negro, a figura ridiculariza africanos e afrodescendentes com falas, gestos e danças consideradas extremamente preconceituosas e ofensivas.

“Repudiamos a maneira nojenta em que retratam os povos da África a fim de intensificar o mito de que tudo que vem da Africa e todo seu povo não tem educação e merece gargalhadas de escárnio”, escreveram os organizadores do evento “Repúdio ao racismo do personagem Africano no Pânico na Band” no Facebook. Na página, internautas discutem o preconceito exposto e estudam meios para processar o programa e tirar o personagem do ar.

Criado no mês passado, o “Africano” faz parte do quadro “Pânico Chef”, paródia do reallity show de culinária “Master Chef”. Quando aparece, “Africano”, de forma pejorativa, “recebe entidades” – ridicularizando religiões de matriz africana -, não se comunica de forma civilizada, se joga no chão, faz gestos de macaco e em vários momentos é colocado como um ser primitivo. “Planta e colhe”, aparece na legenda de suas “atribuições” como “cozinheiro”.

O Africano do #PanicosChef (Eduardo Sterblitch) desafiou toda audiência a fazer uma dança que ninguém nunca viu igual. #DesafioAoAfricano (Veja o desafio completo no canal do #PanicoNaBand: https://www.youtube.com/watch?v=IByggmkh38c&index=3&list=PL6WV7ub_outEAFjOobVsj6zspZ1Bi9qUM)

Posted by Programa Pânico on Tuesday, 4 August 2015

“A depreciação da imagem do africano e afro-brasileiro está intimamente ligada a um processo de dominação e opressão, a partir do simbólico e da manutenção dos privilégios de uma elite branca e racista. Outro aspecto que merece ser destacado nessa discussão é que as frequências de transmissão dos canais são públicos e as emissoras recebem concessões para explorar esses espaços com o compromisso de zelar pelos interesses públicos. Também é importante destacar que o direito a liberdade de expressão não está acima de nenhum outro direito, sobretudo os direitos humanos e o respeito a dignidade humana”, escreveu, em seu blog, Juninho Palmarino, jornalista e militante do movimento negro no Círculo Palmarino.

Além das redes sociais brasileiras, o preconceito destilado pelo programa atingiu até jornais africanos. O SeneWeb, de Senegal, por exemplo, publicou neste domingo (9), a seguinte postagem seguida de um vídeo do personagem: “O Brasil é um país racista? Vejam como eles riem dos africanos!”

senerweb


Foto: Reprodução

 

 

 



No artigo

x