No show dos Titãs, minoria tenta um ‘Fora, Dilma’ e leva bronca de Paulo Miklos

O pequeno coro vindo de um camarote do show da banda em Cuiabá não foi aderido pela plateia como um todo e acabou constrangido com a resposta do vocalista Paulo Miklos: "Vamos manter a ordem democrática! Lutamos por isso, democracia acima de tudo!”.

6410 0

O pequeno coro vindo de um camarote do show da banda em Cuiabá não foi aderido pela plateia como um todo e acabou constrangido com a resposta do vocalista Paulo Miklos: “Vamos manter a ordem democrática! Lutamos por isso, democracia acima de tudo!”

Por Redação

No último sábado (8), no show da banda Titãs em Cuiabá, capital mato-grossense, um pequeno grupo bem que tentou, mas não conseguiu convencer o conjunto e nem o restante da plateia a aderir ao seu “Fora, Dilma”.

Sem a rebeldia e o visual característico do rock, a apresentação contava com pessoas relativamente elitizadas. De acordo com o blogueiro Fábio Ramirez, que estava no show, a maior parte do público era composta por homens de social e mulheres de vestido e salto alto – de certa forma até compreensível pelo preço cobrado pelos ingressos na casa de shows Musiva, que ia de R$100 a R$1000.

Segundo Ramirez, em dado momento, parte desse público – que estava no camarote – resolveu se manifestar. Os Titãs haviam acabado de tocar a música ‘Fardado’, lançada em 2014 e inspirada na violência policial deflagrada nas jornadas de junho de 2013, quando uma ‘meia dúzia’ de pessoas tentou contaminar o restante da plateia com gritos contra a presidenta.

O grupo musical fez, então, uma pequena pausa e, como resposta, executou a música “Desordem”. “Decidimos tocar essa música, que não tocamos desde 87, porque ela está muito atual”, antecipou o vocalista Paulo Miklos antes de começar a canção que questionava: “Quem quer manter a ordem? Quem quer criar desordem?”.

O grupo do camarote, talvez por não ter entendido o recado, puxou novamente o grito de protesto, mas dessa vez Miklos foi mais direto, constrangendo a minoria que tentava inflamar o ódio na apresentação. “Vamos manter a ordem democrática! Lutamos por isso, democracia acima de tudo!”, desabafou ao microfone.

Foto: Andréa Rêgo Barros

 

 

 



No artigo

x