Confira os principais filmes da 10ª Mostra Mundo Árabe de Cinema

Mais de 30 de produções e co-produções árabes, incluindo inéditas, estão em exibição em São Paulo, Rio de Janeiro e Vitória; além dos filmes, mesas temáticas e apresentações artísticas ajudam o público a compreender e se aproximar do universo e da cultura oriental que,...

1364 0

Mais de 30 de produções e co-produções árabes, incluindo inéditas, estão em exibição em São Paulo, Rio de Janeiro e Vitória; além dos filmes, mesas temáticas e apresentações artísticas ajudam o público a compreender e se aproximar do universo e da cultura oriental que, na maior parte das vezes, são estereotipados pelas produções norte-americanas

Por Redação

Começou na semana passada em São Paulo a 10ª Mostra Mundo Árabe de Cinema. Organizada pelo Instituto da Cultura Árabe (ICArabe), a mostra chega esse ano a sua maior edição com a exibição de mais de 30 filmes – incluindo inéditos – até o dia 12 de setembro. Além de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte (MG) e Vitória (ES) passaram a receber a programação.

Composto apenas por produções e co-produções árabes, o festival ajuda o público a se aproximar do universo e da cultura oriental sem as construções estereotipadas e negativas que o cinema norte-americano, na maior parte das vezes, traz em suas produções. Além da exibição dos filmes, a programação conta com mesas temáticas de debates com convidados nacionais e internacionais e apresentações artísticas.

[O evento apresenta] não só a cultura árabe do passado, mas a cultura árabe do presente, que é muito viva. Mostrar as questões sociais, sociológicas, antropológicas, porque cultura é isso. Cultura não é uma coisa estática. É algo muito dinâmico”, afirmou a idealizadora do evento Soraya Smaili.

“Neste percurso, a Mostra permite uma permanente interação entre componentes estéticos e políticos. Políticos em vários sentidos. Primeiramente, em um sentido da aproximação com questões geopolíticas e econômicas do Mundo Árabe e do Oriente Médio. Mas é também política a constatação de que as questões que a Mostra reflete falam também sobre nós.”, completou o curador e diretor da mostra Geraldo Adriano Godoy.

A programação completa pode ser conferida aqui. Abaixo, uma lista com os principais destaques da programação.

“Sotto Voce”

Marrocos e Emirados Árabes Unidos | 2013 | 94 min. – 16 anos
Direção: Kamal Kamal

Sotto Voce conta um episódio pouco conhecido da Guerra da Argélia. Um grupo de argelinos, após o assassinato de um oficial francês, tenta escapar para o Marrocos. A Estrada de Beni Boussaid, na fronteira entre Marrocos e Argélia, estava obstruída pela Linha Morice, uma cerca de 460 kilômetros, eletrificada e min.ada. Moussa, um revolucionário marroquino, ajuda o grupo a fazer a travessia. O filme mescla elementos de um importante momento da história política da região com aspectos líricos e trágicos. Os diferentes planos narrativos são costurados por uma ópera composta originalmente para o filme pelo diretor Kamal Kamal, que também é músico. Inédito no Brasil. Participou do Festival Internacional de Cinema de Dubai em 2014 e Vencedor do Grande Prêmio do Tangiers National Film Festival.

“Theeb”

Jordânia , Emirados Árabes Unidos , Qatar , Reino Unido | 2014 | 100 min. – 16 anos
Direção: Naji Abu Nowar

Em 1916, Theeb vive com sua tribo beduína no povoado de Wadi Rum, situado no Império Otomano. Hussein, irmão mais velho de Theeb, após a morte de seus pais, tenta ensiná-lo a viver como beduíno, mas o jovem Theeb está mais interessado nas brincadeiras de infância do que no aprendizado da vida adulta. Theeb e Houssein têm o curso de suas vidas interrompidas pela chegada de um oficial do Exército Britânico e seu guia, que pedem o auxílio dos garotos em uma missão misteriosa, cujo destino é um poço artesiano na tradicional rota de peregrinação para Meca. Inédito no Brasil. Em 2014, integrou a Seleção Oficial do Festival Internacional de Cinema de Toronto e foi vencedor do Prêmio de Melhor Direção no Festival Internacional de Cinema de Veneza. Inédito no Brasil.

“Água prateada, um autorretrato da Síria

Síria | 2014 | 92 min. – 16 anos
Direção: Ossama Mohammed, Wiam Simav Bedirxan

Na Síria, diariamente, youtubers filmam e então morrem; outros matam e então filmam. Em Paris, conduzido por um amor inesgotável pela Síria, os diretores acreditam que só podem filmar o céu e editar as imagens postadas. Dessa tensão entre o estranhamento na França e a revolução, um encontro aconteceu. Uma jovem mulher curda de Homs começou uma conversa, perguntando: se a sua câmera estivesse aqui em Homs, o que você estaria filmando?. Águas prateadas é a história desse encontro.

“Indignação não tem muros”

Iêmen | 2012 | 26 min. – 16 anos
Direção: Sara Ishaq

Inspirados pela Revolução Egípcia que depôs o ditador Hosni Mubarak do poder em 25 de Janeiro de 2011, jovens iemenitas tomaram as ruas de Sana’a (capital do Iêmen) para pedir a deposição de Ali Abdullah Saleh, então no poder há 33 anos. O documentário aborda a vida de dois pais de família em meio a repressão violenta aos protestos de 18 de março de 2011, quando atiradores pró-governo assassinaram brutalmente 53 pessoas e deixaram milhares de feridos. Inédito no Brasil.Em 2014, foi indicado para concorrer ao Oscar na categoria Melhor Curta-Metragem Documentário.

“Festival Pan-Africano de Argel”

Argélia | 1969 | 102 min. – 16 anos
Direção: William Klein

Em julho de 1969, William Klein filmou o primeiro Festival Pan-Africano de Argel. Este evento colossal espalhou uma sensação de euforia, exuberância, festividade e esperança por uma África livre e fraterna. O filme foca nas figuras políticas da época, mas também nos artistas que participaram deste festival, marcando para sempre a memória da Argélia, incluindo Nina Simone, Archie Shepp e Miriam Makeba.

“Um menino, um muro e um burro”

Palestina e Alemanha | 2008 | 6 min. – 16 anos
Direção: Hany Abu-Assad

Neste curta do aclamado diretor palestino Hany Abu-Assad, inédito no Brasil, três meninos querem gravar um filme e recitar a visão que tem da realidade. No entanto, sem qualquer câmera, eles não desistem e decidem gravar usando câmeras de segurança que rodeiam o mundo em que vivem.

Foto: Imagem de “Sotto Voce”



No artigo

x