Polícia impede jovens da periferia de irem à praia no Rio de Janeiro

Do grupo de quinze jovens, apenas um era branco. O restante tinha o mesmo perfil, formado por negros e pobres. Nenhum deles portava drogas, armas ou cometeu qualquer atitude suspeita que justificasse a intervenção. O caso gerou revolta entre defensores dos direitos humanos, que...

1127 0

Do grupo de quinze jovens, apenas um era branco. O restante tinha o mesmo perfil, formado por negros e pobres. Nenhum deles portava drogas, armas ou cometeu qualquer atitude suspeita que justificasse a intervenção. O caso gerou revolta entre defensores dos direitos humanos, que acusam a PM de discriminação

Por Redação*

No domingo (23), um grupo de quinze jovens, a maioria da periferia do Rio de Janeiro, foi recolhido pela Polícia Militar enquanto se deslocava de ônibus para as praias da Zona Sul da cidade. Do total, apenas um era branco. O restante tinha o mesmo perfil, formado por negros e pobres. Nenhum deles portava drogas, armas ou cometeu qualquer atitude suspeita que justificasse a intervenção. Mesmo assim, foram levados para o Centro Integrado de Atendimento à Criança e ao Adolescente (Ciaca) e ficaram aproximadamente quatro horas sem poder comer.

Em entrevista ao jornal Extra, uma conselheira tutelar, que preferiu manter a identidade em sigilo, acusou a PM de discriminação. “No início, o critério era estar sem documento e dinheiro para a passagem. Agora, está sem critério nenhum. É pobre? Vem para cá. Só pegam quem está indo para as praias da Zona Sul. Tem menores que, mesmo com os documentos, são recolhidos. Isso é segregação. Só hoje (domingo) foram cerca de 70. Ontem (sábado), foram 90”, revelou.

A defensora pública Eufrásia Souza das Virgens informou que será solicitada a abertura de um inquérito na Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV) para a apuração do caso. No Twitter, o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) também manifestou indignação diante do episódio. “Adolescentes indo para a praia, sem cometer nenhum delito, com documentos e $ para a passagem, negros: impedidos pela polícia. Um absurdo!”, protestou.

*Com informações do jornal Extra

Foto de capa: Fernando Frazão/ ABr



No artigo

x