Internauta que ameaçou Jean Wyllys de morte é condenado pela Justiça

2ª Vara Federal de Natal determinou que Márcio Gleyson Damasceno preste serviços comunitários em uma instituição que assiste homossexuais em situação de vulnerabilidade no interior do Rio Grande do Norte

1220 0

2ª Vara Federal de Natal determinou que Márcio Gleyson Damasceno preste serviços comunitários em uma instituição que assiste homossexuais em situação de vulnerabilidade no interior do Rio Grande do Norte

Por Redação

O internauta Márcio Gleyson Damasceno foi condenado pela Justiça de Natal, no Rio Grande do Norte, a prestar serviços comunitários em uma instituição que assiste homossexuais em situação de vulnerabilidade no interior do estado. A sentença é uma resposta à ameaça de morte que Damasceno fez no Facebook ao deputado federal Jean Wyllys (Psol-RJ).

Tudo começou quando, em abril de 2013, Damasceno compartilhou uma matéria do site humorístico Sensacionalista – “Bancada gay lança projeto de lei para proibir casamento de evangélicos” – como se fosse verdadeira. No post, escreveu: “Eu falei do deputado federal Endemoniado Jean. Se Deus não matar esse infeliz, eu mesmo vou matá-lo pessoalmente. Querem respeito desrespeitando as leis de Deus, e os princípios da Bíblia Sagrada. Mas rapaz, quem vai virar homofóbico agora sou eu.”

Devido aos insultos, a 2ª Vara Federal de Natal enquadrou Damasceno nos artigos 139 e 140 do Código Penal, que dispõem sobre os crimes contra a honra. Ele terá de cumprir sete horas semanais de serviços comunitários durante oito meses na entidade Sociedade Viva.

Em sua página oficial do Facebook, Jean Wyllys comemorou a decisão. “Não acredito que a gente vá erradicar o preconceito mandando pessoas para a cadeia”, escreveu o deputado. “Quem ofende, xinga, reproduz preconceitos ou comete outro tipo de formas de discriminação que não incluam violência física — ou, como aconteceu neste caso, faz ameaças numa rede social que não passam de um ato de idiotice do qual logo se arrependem — pode receber penas alternativas que, em vez de trancafiá-lo num presídio e embrutecê-lo ainda mais (porque nosso sistema prisional dista de ser humanizado, infelizmente), o ajudem a aprender, a entender, a melhorar.”

“Eu falei do deputado federal endemoniado Jean. Se Deus não matar esse infeliz, eu mesmo vou matá-lo pessoalmente….

Posted by Jean Wyllys on Sexta, 4 de setembro de 2015

(Foto: Lucio Bernardo Jr/Câmara dos Deputados)

 



No artigo

x