Jeremy Corbyn vence corrida à liderança do Partido Trabalhista

Representando o discurso anti-austeridade, líder britânico pode representar um sopro de renovação na política europeia. “A pobreza não tem que ser inevitável. As coisas podem e vão mudar”, prometeu

741 0

Representando o discurso anti-austeridade, líder britânico pode representar um sopro de renovação na política europeia. “A pobreza não tem que ser inevitável. As coisas podem e vão mudar”, prometeu

Por Esquerda.net

No seu discurso de vitória, Jeremy Corbyn, que foi eleito de forma esmagadora no primeiro turno com 59,5% dos votos, começou por agradecer aos deputados que o nomearam e, assim, permitiram que pudesse avançar com a sua candidatura. “Alguns estavam relutantes em fazê-lo”. Mas, fizeram-no num espírito inclusivo e democrático.

Corbyn não esqueceu os milhares de apoiantes e voluntários que se juntaram à campanha que começou “pequena” e “foi crescendo”. Tendo ainda destacado e agradecido o forte apoio que recebeu dos sindicatos associados ao Labour.

“O Partido Trabalhista mudou durantes os últimos três meses. Cresceu, por que as pessoas querem um Reino Unido melhor”, destacou.

Acusou o Partido Conservador, liderado pelo primeiro-ministro David Cameron, de ter aproveitado a crise econômica para castigar os pobres. “O que não está correto e tem quem mudar”.

“Temos que combater os grotescos níveis de desigualdade. Temos que ter uma política econômica para resolver isso”, disse.

Sobre a crise dos refugiados afirmou que “as pessoas percebem que aqueles que fogem das guerras são vítimas”. São seres humanos, como tu e eu. Vamos lidar com a crise dos refugiados humanamente”.

O Partido Trabalhista existe devido ao trabalho de outros. Mas vai avançar de forma mais forte, segundo ele. “A sua paixão e humanidade estão intactas”.

“Vai chegar a todos, para oferecer às pessoas uma vida decente. O partido será mais inclusivo, mais envolvente e mais democrático”.

“A pobreza não tem que ser inevitável. As coisas podem e vão mudar”, prometeu.

Leia também:

Jeremy Corbyn, o “Pablo Iglesias britânico”

 

Resultados

Jeremy Corbyn: 251 417 votos – 59.5%

Andy Burnham: 80 462 votos – 19%

Yvette Cooper: 71 928 votos – 17%

Liz Kendall: 18,857 votos – 4.5%

Secretário-geral do maior sindicato britânico congratula-se com vitória de Corbyn

“Os eleitores podem agora olhar para o Partido Trabalhista e ver, inquestionavelmente, que representa equidade, justiça, paz e comunidades fortes. É o partido da esperança, pronto para assumir um governo que teima em fazer a vida das pessoas comuns pior”, afirmou Len McCluskey, secretário geral do Unite, que apoiou Corbyn na disputada da liderança trabalhista.

“Agora, a tarefa de todos nós, que apoiamos o Partido Trabalhista, é o de apoiar a equipa da liderança, para unir, enfrentar os conservadores e responsabilizá-los. É o que os eleitores esperam de nós, é o caminho de regresso ao poder e é a tarefa à qual as pessoas de todo o partido se devem entregar”, concluiu.

Gerry Adams, líder do Sinn Féin, felicita Corbyn

“Conheço Jeremy Corbyn há muitos anos. É um bom amigo da Irlanda e do processo de paz irlandês”.

“Desejo-lhe boa sorte no seu novo e desafiante papel como líder do Partido Trabalhista britânico e estou ansioso por trabalhar com ele para assegurar que os ganhos do processo de paz se fortaleçam”.

Corbyn esteve em Portugal a convite do Bloco

O novo líder do Partido Trabalhista é uma das vozes antiausteridade na política britânica e esteve em Portugal na manifestação contra a Otan e numa conferência organizada pelo Bloco sobre o euro e a crise das dívidas (ver vídeo abaixo). Marisa Matias diz que a vitória de Corbyn “é uma boa notícia para a Europa”.

Foto de capa: https://www.flickr.com/photos/wdm/



No artigo

x