Ocupação de sem-teto em São Paulo acolhe refugiados sírios

Ao todo, 60 sírios foram recebidos na ocupação Leila Khaled. Coordenadores cobram da prefeitura a criação de uma feira onde os refugiados possam comercializar produtos Por Sarah Fernandes, em Rede Brasil Atual...

1192 0

Ao todo, 60 sírios foram recebidos na ocupação Leila Khaled. Coordenadores cobram da prefeitura a criação de uma feira onde os refugiados possam comercializar produtos

Por Sarah Fernandes, em Rede Brasil Atual

São Paulo – O endereço é na rua Conselheiro Furtado, no centro de São Paulo. Lá, em uma ocupação de famílias sem-teto do movimento Terra Livre, vivem 100 pessoas que aguardam uma resolução do poder público para um dos principais problemas da capital paulista: habitação. Para uma parte delas, no entanto, o lugar tem um significado especial. É lá que 60 refugiados sírios foram acolhidos e poderão recomeçar a vida após cruzarem milhares de quilômetros para salvarem suas vidas, fugindo do conflito no país.

Sírios fazem comidas tradicionais e vendem por encomenda (Imagem: Danilo Ramos / RBA)
Sírios fazem comidas tradicionais e vendem por encomenda (Imagem: Danilo Ramos / RBA)

Expulsos pelo fogo cruzado e após perderem suas casas em ataques e bombardeios, os sírios encontraram na ocupação Leila Khaled um novo lar, compartilhando o espaço com famílias brasileiras também excluídas do acesso à cidade, pela especulação imobiliária. “Eu não imaginava que o Brasil fosse tão desigual. Na Síria não há casas vazias. A vida é mais simples, mas a pobreza é menor. Com um salário mínimo se vivia muito bem”, diz o refugiado Abu Mohamed, que está há dois meses na ocupação, com a esposa e mais seis filhos, com idades entre 13 e 23 anos.

A maioria dos refugiados da Ocupação Leila Khaled possui uma história bastante peculiar: apesar de terem nascido na Síria, eles são palestinos cujas famílias estavam refugiadas no país desde 1948, quando foram expulsas pela criação do Estado de Israel. Durante o episódio, pelo menos 800 mil pessoas se tornaram refugiadas. Hoje, 67 anos depois, são 5 milhões. Com o estouro do conflito, em 2011, os campos foram atacados e eles se tornaram duplamente refugiados.

“A essa altura, eu deveria estar formado em Direito, com meu próprio escritório, que eu me organizava para abrir”, conta o refugiado sírio Wessam Othman, de 33 anos, há um ano no Brasil. Desde 2013, ele e mais 50 mil pessoas tiveram que deixar o campo onde viviam, a sete quilômetros da capital síria, Damasco. Ele e a família se mudaram para a cidade e abriram uma pequena loja de roupas. Com a intensificação do conflito, a situação tornou-se insuportável, e ele veio para o Brasil com o primo tentar recomeçar a vida. “Deixei minha mãe e oito irmãos na Síria. Assim que eu garantir moradia e trabalho vou trazê-los”, planeja.

Ao contrário do que a maioria imagina, não é tão difícil para os sírios chegarem ao Brasil: a viagem de avião, com escadas em Dubai, Marrocos ou na Europa fica entre US$ 700 e US$ 1 mil e acaba sendo uma opção melhor para os que conseguiram salvar alguma economia, já que a maioria dos países europeus complica a emissão dos vistos e que as viagens por terra para os países vizinhos são inseguras, concentradas na máfia das redes de coiotes.

O Brasil é principal destino dos refugiados sírios no continente americano. Segundo o Comitê Nacional para Refugiados (Conare), já foi concedido refúgio para 2.097 sírios, número superior aos dos Estados Unidos e muitos países da Europa. Embaixadas do Brasil no Líbano, Jordânia e Turquia já forneceram 7.752 vistos autorizando viagens para o Brasil.

Para facilitar a situação, em setembro, o governo brasileiro prorrogou por mais dois anos a concessão de visto especial, por razões humanitárias, a pessoas afetadas pelo conflito armado na República Árabe Síria. O representante do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), Andrés Ramirez, chegou a afirmar que o Brasil dá um exemplo de acolhida humanitária. “São os países ricos, em geral, que têm que aprender com o Brasil a como implantar ações receptivas, principalmente porque essas pessoas não vêm para tentar uma vida melhor, mas para salvar suas vidas. O Brasil está oferecendo um bom exemplo”, disse.

“Eu tentei entrar em quase todos os países da Europa, mas ninguém me concedeu visto, porque sou sírio. Cruzei a fronteira a pé para a Jordânia em uma viagem de quatro dias, tentando salvar minha vida. Fui vítima de muito preconceito, mas aqui me senti acolhido”, diz o refugiado Alaa Alzubi, há três meses no Brasil. “Daqui eu não acompanho as notícias da guerra, porque é muito forte para mim. Eu vivia no fogo cruzado, ouvia bombas e explosões a todo momento. Tinha sempre muito medo.”
Dia a dia

Wessam Othman faz entrega de comidas típicas sírias (Imagem: Danilo Ramos / RBA)
Wessam Othman faz entrega de comidas típicas sírias (Imagem: Danilo Ramos / RBA)

Grande parte dos refugiados que vive na ocupação trabalha ou faz bicos, a maioria em restaurantes de comida árabe. Outros começam pequenos negócios, em especial como barbeiros, cozinheiros ou entregadores de comida. Todos os serviços oferecidos pelos refugiados estão disponíveis na página da ocupação do Facebook, e podem ser contratados pelo telefone disponibilizado nos anúncios.

Uma das propostas dos coordenadores da ocupação, apresentada ontem (2) à prefeitura, é a criação de uma feira de cultura síria e palestina, onde os refugiados poderiam comercializar alimentos e produtos tradicionais. “Vejo com bons olhos a possibilidade, é uma iniciativa muito interessante. Queremos incluí-los nos projetos municipais de economia solidária, mas a feira também parece uma boa opção”, afirma o coordenador de Políticas para Migrantes da Secretaria Municipal de Direitos Humanos, Paulo Illes.

“Cobramos também da prefeitura um mutirão de atendimento médico e dental para os refugiados da ocupação e a contratação de tradutores para os Centros de Apoio ao Trabalho e Empreendedorismo, para auxiliá-los a conseguir uma vaga. Junto ao governo federal cobramos, sobretudo, a revalidação de diplomas de formação”, afirma um dos coordenadores da ocupação, Hasan Zarif.

O prédio de dez andares foi ocupado em junho deste ano pelo movimento Terra Livre e com o apoio do Movimento Palestina para Todxs (Mopat). Os moradores são responsáveis pela manutenção do edifício e tomam as decisões coletivamente em assembleias. O objetivo não era abrigar refugiados sírios, mas devido à situação de vulnerabilidade em que eles se encontravam, as portas foram abertas.

“Pela nossa rede de contatos, começamos a receber a notícias da chegada dos sírios. A maioria deles estava em pequenos hotéis na região do Brás, pagando valores abusivos, em condições muito precárias de habitação. Frente a essa realidade, os convidamos para vir para cá. Há uma fila de mais 60 pessoas, mas neste momento, não temos como acolhê-las”, conta Zarif.

Conflito na Síria

Teve início em 15 de março de 2011, durante a Primavera Árabe. O governo liderado com mãos de ferro pelo partido Baath há quase 50 anos reprimiu os protestos com violência, obrigando os manifestantes a reagir. O regime do presidente Bashar al-Assad passou a controlar as grandes cidades e as estradas mais importantes do país e tem usado a fome e a miséria para punir a população civil.

Em 2012, A Cruz Vermelha e a ONU classificaram os conflitos como guerra civil e começaram a cobrar aplicações do Direito Humanitário Internacional para investigar crimes de guerra. Porém, as missões diplomáticas têm fracassado. De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, no primeiro trimestre de 2014, pelo menos 140 mil pessoas morreram – 7 mil crianças e 5 mil mulheres.

Foto de capa: Danilo Ramos / RBA



No artigo

x