Meninas que não podem ser crianças

Por Jarid Arraes Segundo uma recente pesquisa feita pela Plan International no Brasil, parte da campanha Por Ser Menina, muitas meninas brasileiras são forçadas a deixar de ser crianças para assumirem...

1304 1

Por Jarid Arraes

Segundo uma recente pesquisa feita pela Plan International no Brasil, parte da campanha Por Ser Menina, muitas meninas brasileiras são forçadas a deixar de ser crianças para assumirem funções e papéis impostos por causa do seu gênero. Esse quadro começa pela divisão de trabalho doméstico, que é diretamente associado como obrigação das meninas e não dos meninos. Por isso, as garotas que fizeram parte da pesquisa revelam uma triste realidade: enquanto limpam, lavam, passam e cuidam dos irmãos mais novos, os garotos da mesma casa e família têm mais tempo livre para estudar e brincar.

Isso também se reflete em violações de direitos, como meninas menores de 16 anos trabalhando, principalmente como empregadas domésticas e babás. Outras funções desempenhadas pelas garotas da pesquisa envolvem trabalhos como catação, engraxate e vigia de carros, ou ainda o trabalho na agricultura, pecuária ou pesca.

Os dados da pesquisa também evidenciam a forma como as meninas se sentem no ambiente doméstico e escolar, lugares onde muitas vezes são criticadas de maneira agressiva, vivem sob violência e sentem que não podem se expressar ou fazer algo que gostariam unicamente pelo fato de serem meninas. Além disso, ainda há a realidade dos relacionamentos abusivos e da violência sexual. Muitas das meninas de regiões rurais ou em situações de mais vulnerabilidade acabam casando muito cedo, tornando-se responsáveis pelos próprios filhos e pelo cuidado de um homem adulto.

Portanto, no dia 12 de outubro, precisamos falar sobre as meninas que não têm o direito de viver como crianças. O machismo, a pobreza e o racismo se juntam em uma equação que prejudica as garotas de maneira profunda, grave e irreparável, cujas consequências são estupros, abandono escolar e uma vida de trabalho sem escolhas viáveis. Numa cultura que estimula o consumismo em datas como essa e que alega proteger as crianças, a denúncia da realidade expõe a hipocrisia da sociedade. A realidade é que algumas crianças são mais protegidas do que outras e têm mais direitos e mais chances de viver como crianças.

A naturalização dessa injustiça social contra meninas tem feito vítimas reais todos os dias. Para entender melhor um das faces dessa realidade, faça o download do documento que conta todos os detalhes da pesquisa aqui citada. Lembre-se também que além das meninas que foram entrevistadas, há milhares de outras que não conseguiram ser alcançadas, em situações ainda piores. Para muitas meninas, ser criança não é um direito garantido.

Foto de capa: Reprodução / Facebook



No artigo

1 comment

  1. paulina Responder

    e verdade


x