Mujica condena cultura do mercado e prega unidade e jornada menor

“A única luta que se perde é a que se abandona”, diz líder uruguaio, em referência ao momento brasileiro. “Temos de lembrar às futuras gerações que somos responsáveis pelo mundo em que vivemos” Por...

583 0

“A única luta que se perde é a que se abandona”, diz líder uruguaio, em referência ao momento brasileiro. “Temos de lembrar às futuras gerações que somos responsáveis pelo mundo em que vivemos”

Por Rede Brasil Atual

Destaque da abertura do congresso da CUT, ontem (13) à noite, em São Paulo, o ex-presidente do Uruguai José Mujica, atual senador, fez referência ao momento difícil vivido pelo Brasil, receitando persistência e unidade. “Eu sei que vocês, brasileiros, estão passando por um momento difícil. Mas durante a minha vida aprendi uma coisa fundamental: a única luta que se perde é a que se abandona.”

Exaltado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e chamado de “dom Pepe” pela presidenta Dilma Rousseff, Mujica disse que é disse que é preciso avançar na unidade e na integração sul-americana como forma de fazer frente ao capitalismo globalizado. Defendeu, inclusive, a criação de universidades integradas como forma de potencializar a produção de inteligência no continente. “Já chegamos tarde à era industrial. Não podemos ficar para trás na era do conhecimento e da informação, que vai definir o futuro”, alertou. “Isso não significa hipotecar a pátria nem perder nossos sentimentos de nacionalidade. mas construir uma casa maior, que possa proteger a todos.”

Segundo ele, é preciso se preocupar com o salário, direitos e democracia, mas também pensar no amanhã. “Temos de lembrar às futuras gerações que somos responsáveis pelo mundo em que vivemos.” Da mesma forma, observou, os jovens de hoje precisam saber o que já aconteceu. “A liberdade é fruto da dor dos lutadores sociais que vieram antes de nós. O que se conquistou não caiu do céu. É fruto do heroísmo de gerações de lutadores sociais que nos precederam.” Por isso, é preciso pelear (lutar) pela democracia, “que está longe de ser perfeita”.

O líder uruguaio criticou a chamada cultura de mercado, que obriga as pessoas a correrem “como loucos”. E disse que os trabalhadores devem lutar por salários melhores, mas não podem se iludir. “A verdadeira pobreza é gastar a vida preocupado em viver acumulando, acumulando, acumulando. É preciso fazer as coisas que você gosta e ama. Se você não conseguir a felicidade com pouco, nunca a conseguirá.”

Mujica defendeu transparência na administração pública e nos balanços das empresas privadas. “O Estado tem de se encarregar de mitigar as desigualdades”, diz Mujica, acrescentando: “Desde sempre, quando você põe a mão no bolso de um poderoso para cobrar impostos, acaba por ganhar um inimigo de classe”.

Ao fazer menção às diferenças jornadas de trabalho em todo mundo, o ex-presidente observou que os analistas econômicos apontam a luta sindical por redução como um fator que afeta a competitividade. “Enquanto houver desigualdade nas jornadas e nos direitos, não há como competir, Então se impõe o desafio de lutar para que haja uma única jornada de trabalho em todo o mundo.”

O ex-presidente diz reconhecer as dificuldades diante de um mundo no qual impera o poder do capital financeiro, mas ressalta que enfrentar essa realidade pressupõe aumentar o potencial da América Latina. “Não estou olhando para o meu mundo, porque tenho 80 anos, estou olhando para os que estão por vir.”

Foto: Roberto Stuckert Filho



No artigo

x