Rui Falcão, sobre Levy: “Ou muda, ou sai”

O presidente do PT fez, em entrevista, duras críticas à política econômica do ministro da Fazenda, Joaquim Levy; “Está errada a política de contenção exagerada do crédito. Precisamos devolver esperança à população”, disse, reforçando...

810 0

O presidente do PT fez, em entrevista, duras críticas à política econômica do ministro da Fazenda, Joaquim Levy; “Está errada a política de contenção exagerada do crédito. Precisamos devolver esperança à população”, disse, reforçando que Dilma deve substituí-lo se ele não estiver disposto a mudar os rumos

Por Brasil 247

O “fogo amigo” que ronda o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, já atinge sua temperatura máxima. Em entrevista às jornalistas Catia Seabra e Natuza Nery, o presidente do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão, foi categórico: ou Levy muda sua política econômica, ou abandona o cargo.

“É importante mudar a política econômica. É preciso que se libere crédito para investimento, para consumo. É uma forma de fazer a economia rodar. Da mesma forma, é insustentável manter a atual taxa de juros”, disse ele. “Está errada a política de contenção exagerada do crédito. Precisamos devolver esperança à população.”

Rui disse ainda que Levy deve sair se não estiver disposto a mudar o rumo atual, embora tenha enfatizado que quem nomeia ou demite ministros é a presidente da República. Mas ele enfatizou que “a preocupação dela é com emprego, manutenção dos ganhos de renda” e antecipou que Dilma defenderá mecanismos de ampliação do crédito. “Se Levy não quiser seguir a orientação da presidente, deve ser substituído”, disse Rui.

Nesta sexta, em reunião com a presidente Dilma, Levy se queixou do chamado “fogo amigo”. No mesmo dia, em nota, o Ministério da Fazenda negou que ele estivesse demissionário.

Vaccari e Cunha

Na entrevista, Rui fez também uma autocrítica, em nome do partido. “O PT não deveria ter enveredado pelo financiamento empresarial, porque nos igualamos aos outros partidos”, afirmou.

No entanto, ele defendeu a conduta do tesoureiro João Vaccari Neto. “O Vaccari não tem acusação de desvio ético. Nada se comprovou contra ele”.

Ele também afirmou que a posição do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), está “cada vez mais insustentável” e negou qualquer tentativa de acordo com ele. “Quem tem acordo declarado com ele, fotografado e reconhecido, é a oposição”.

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil



No artigo

x