Cidade do litoral do RJ terá Hospital Ernesto Che Guevara

Obras do complexo hospitalar, anunciado em 2012 pela prefeitura do município de Maricá, já foram iniciadas; grupos como Revoltados ONLINE e Instituto Liberal criticaram a escolha do nome Por Redação...

1482 0

Obras do complexo hospitalar, anunciado em 2012 pela prefeitura do município de Maricá, já foram iniciadas; grupos como Revoltados ONLINE e Instituto Liberal criticaram a escolha do nome

Por Redação

As obras do Hospital Municipal Dr. Ernesto Che Guevara (HMECG), em Maricá, no litoral do Rio de Janeiro, já se iniciaram. Anunciada pela prefeitura do município em 2012, a unidade, além de servir como referência para a região, tem a premissa de aliviar a demanda do Hospital Municipal Conde Modesto Leal (HMCML), no centro da cidade.

Batizado em homenagem ao médico argentino que liderou a Revolução Cubana, o hospital contará com 138 leitos para internação, e a previsão é de que fique pronto no segundo semestre de 2016. Segundo o portal G1, a área que ocupará, de 128,9 mil quadrados, já recebe trabalhos de terraplenagem e nivelamento de terreno. O investimento total é de cerca de R$40 milhões e, de acordo com a coordenação do projeto, ele já foi aprovado por secretarias do estado e pelo Ministério da Saúde.

Conforme o G1, o HMECG fornecerá à população um moderno setor de pronto atendimento 24 horas para politraumatizados e pacientes referenciados da rede. Clínicos gerais, cirurgiões gerais, pediatras, anestesistas, ortopedistas e especialistas de sobreaviso (urologia, cardiologia, vascular, bucomaxilofacial, neurologia, infectologia) trabalharão na unidade, que incluirá dois Centros de Tratamento Intensivo (CTI) – adulto e infantil – e pode abrigar também um parque de medicina diagnóstica com Imagenologia, laboratório de análises clínicas e central de material esterilizado.

Três salas de cirurgia de grande porte e uma de médio porte integrarão o Centro Cirúrgico. O hospital terá, ainda, sete enfermarias femininas e sete masculinas de clínica médica, emergência clínica pediátrica, isolamentos pediátricos e salas de observação. Serão construídos um refeitório com 192 lugares, um auditório com capacidade para 72 pessoas e salas de administração.

O nome do HMECG já foi alvo de críticas de grupos de direita como Revoltados ONLINE e Instituto Liberal. “Dar a um hospital brasileiro o nome de Ernesto Che Guevara, seja esse hospital onde for, seja do tamanho que for, é, sem exagero nenhum, um atentado à dignidade moral da nossa pátria”, diz artigo publicado no site da última entidade em dezembro de 2014.

(Foto: Divulgação/Ascom Maricá)

 



No artigo

x