Bolsonaro, Feliciano e Constantino criticam questão sobre Beauvoir no Enem

Bolsonaro disse que pergunta sobre filósofa francesa representa “o sonho petista em querer nos transformar em idiotas”; Feliciano afirmou que questão é tentativa de incutir nas “puras mentes” dos jovens “culturas estranhas aos nossos...

1772 0

Bolsonaro disse que pergunta sobre filósofa francesa representa “o sonho petista em querer nos transformar em idiotas”; Feliciano afirmou que questão é tentativa de incutir nas “puras mentes” dos jovens “culturas estranhas aos nossos costumes e tradições”; já Constantino chamou os estudos de gênero de “viagem”

Por Redação

Os deputados federais Marco Feliciano (PSC-SP) e Jair Bolsonaro (PP-RJ) e o blogueiro Rodrigo Constantino criticaram, nas redes, a questão do Enem sobre a filósofa Simone de Beauvoir. Parte da prova aplicada no último sábado (24), a pergunta trazia um excerto do mais famoso livro da francesa, O segundo sexo: “Ninguém nasce mulher, torna-se mulher. Nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; é o conjunto da civilização que elabora esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualificam o feminino.”

(Reprodução/Facebook)
(Reprodução/Facebook)

“O sonho petista em querer nos transformar em idiotas materializa-se em várias questões do ENEM (Exame Nacional do Ensino MARXISTA)”, escreveu Bolsonaro em sua página oficial no Facebook. “Essa canalhada deverá ser extirpada do poder em 2018 com o VOTO IMPRESSO, ou antes, da mesma forma como o Congresso, em 02 de abril de 1964, cassou o comunista João Goulart.”

Também em sua fanpage, Feliciano divulgou um longo texto condenando a inserção de Beauvoir entre os conteúdos cobrados dos candidatos. “A primeira pergunta apresentado na prova do Enen (sic) deste sábado versa sobre um assunto em que em todas as esferas legislativas de nosso país foi vencida e jogada no lixo, a teoria de gênero, algo que sutilmente tentaram nos incutir de forma sorrateira e rechaçada pelos parlamentares eleitos democraticamente pela maioria da população e que todas as pesquisas apontam como maioria de fé Cristã e conservadora”, opinou. “Essa frase da Filósofa Simone de Beauvoir é apenas opinião pessoal da autora, e me parece que a inserção desse texto, uma escolha adrede, ardilosa e discrepante do que se tem decidido sobre o que se deve ensinar aos nossos jovens.”

(Reprodução/Facebook)
(Reprodução/Facebook)

Já Constantino se pronunciou por meio de seu blog  e caracterizou os estudos de gênero como “viagem”. “A prova do Enem foi, uma vez mais, um show bizarro de doutrinação ideológica, conforme muitos têm relatado. Uma das questões estava carregada de feminismo tosco, usando Simone de Beauvoir para extrair dos alunos uma visão de mundo absurda de que ‘ninguém nasce mulher’, de que gênero é apenas uma ‘construção social’. Essa turma tem ido longe demais em suas viagens nos departamentos de humanas das universidades.”

(Reprodução)
(Reprodução)

Leia também:

O ENEM – Sobre a macheza, Simone de Beauvoir e questões negras

Transexuais reclamam de preconceito durante prova do Enem



No artigo

x