Lula: O momento é o mais difícil da história do PCdoB e do PT

Deputados comunistas e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fizeram balanço da conjuntura política e demonstraram confiança na superação dos desafios políticos e econômicos que o Brasil enfrenta.

747 0

Deputados comunistas e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fizeram balanço da conjuntura política e demonstraram confiança na superação dos desafios políticos e econômicos que o Brasil enfrenta

Por Marciele Brum, da Ascom do PCdoB 

Em clima festivo pelo aniversário de 70 anos celebrado esta semana, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi recebido pela Bancada do PCdoB no Congresso em almoço nesta quinta-feira (29). Enquanto saboreava carne de sol e feijão, Lula elogiou a relação histórica com os comunistas e defendeu que PT e PCdoB se aproximem ainda mais no processo de enfrentamento da crise política e econômica do Brasil.

À frente da Bancada do partido na Câmara, a deputada Jandira Feghali (RJ) considerou positiva a troca de opiniões sobre o momento político. “Queremos ter estratégias comuns para enfrentar as dificuldades econômicas e políticas para que possamos ultrapassar este processo. Por trás do governo Dilma Rousseff, há um projeto construído há muitos anos. Esse projeto precisa ser preservado para que cada vez mais avance em direção ao povo.”

Presidente nacional do PCdoB, a deputada Luciana Santos (PE) considerou extraordinário o encontro com o principal líder político de massas no país. “O legado político de Lula está marcado na história política do Brasil. A oposição quer reescrever a história, e nós não podemos permitir isso. Precisamos reafirmar a democracia e a vontade popular nas urnas. O Lula é porta-voz deste sentimento de que o país mudou para melhor. Só as forças consequentes de esquerda têm essa compreensão. Não vai ter golpe. Vamos enfrentar isso com a força do povo.”

No encontro, Lula demonstrou otimismo por acreditar que o governo Dilma conseguiu “arrumar” a articulação política no Congresso. “Nós vamos superar. A Dilma vai voltar a crescer. Para aqueles que não gostam de nós, vão ter de conviver a partir de 2018 durante mais quatro anos com os partidos democráticos e populares na governança deste país,” avisou o ex-presidente.

Veja os principais trechos da entrevista exclusiva de Lula concedida ao PCdoB na Câmara:

PCdoB na Câmara – Como foi a reunião-almoço com a Bancada Comunista no Congresso?

Luiz Inácio Lula da Silva – Agradeci muito por tudo que o PCdoB significa na minha vida ao longo da minha trajetória política. Discutimos a necessidade de o PCdoB e do PT se reunirem mais e debaterem estratégias comuns de atuação. O PT agradece muito pelo comportamento da Bancada do PCdoB no Congresso, com a líder Jandira Feghali, que tem sido motivo de orgulho para quem é da esquerda neste país. Mostra que tem gente com caráter, que não é oportunista e não rema apenas do lado que a maré está favorável. Isso o PCdoB tem feito historicamente. Nos últimos 40 anos, não posso reclamar da relação com o PCdoB. Tem sido extraordinária desde a primeira campanha em 1989 com João Amazonas, depois com Renato Rabelo e agora com Luciana Santos. O PCdoB está inovando, tendo uma mulher na presidência. Não é pouca coisa um partido comunista ter uma mulher na presidência. Isso tudo ajuda na nossa relação.

PCdoB na Câmara – A ideia é estabelecer uma agenda rotineira de encontros entre PT e PCdoB?

Lula – É importante que uma vez por mês ou a cada dois meses, quando tiver reunião da executiva, conversemos um pouco. O PCdoB ir numa reunião do PT para fazer avaliação de conjuntura e vice-versa. O objetivo é que nos aproximemos cada vez mais. Quando tiver eleições municipais em 2016, podemos ter divergências em um lugar ou outro. Mas as divergências são bem menores do que as coisas unificadoras entre PT e PCdoB. Saio daqui deste almoço mais fortalecido de cabeça e alma.

PCdoB na Câmara – Como o senhor avalia a atual conjuntura política?

Lula – Não é um momento fácil. Possivelmente, é o momento o mais difícil da história do PCdoB e do PT, porque não estamos enfrentando um partido de oposição comum. Estamos enfrentando um massacre de uma imprensa conservadora. Parece-me que a imprensa não concorda com a evolução e as conquistas do povo mais pobre deste país. Não concordam com o pobre nas universidades e com programas que elevaram a qualidade de vida das pessoas, como o Minha Casa Minha Vida. Tem gente que se incomoda com os pobres quando eles têm ascensão. Existe um massacre em cima do PT. Evidentemente, que nós também temos cometido erros. Existe discordância com relação à política econômica, e temos de fazer as correções na medida do possível e no momento correto. Temos muita divergência dentro do Congresso Nacional. É preciso que os partidos assumam a responsabilidade de funcionar enquanto partidos políticos.

PCdoB na Câmara – Qual é a saída?

Lula – Teoricamente, a presidenta Dilma Rousseff tem maioria dentro do Congresso tanto na Câmara quanto no Senado. O governo agora arrumou a sua articulação política. A vinda do companheiro Jaques Wagner para a Casa Civil deu um alento muito grande dentro do Congresso. O Aloisio Mercadante voltou para a Educação e fará um extraordinário trabalho na Educação. Nós vamos superar. A Dilma vai voltar a crescer. Para aqueles que não gostam de nós, vão ter de conviver a partir de 2018 durante mais quatro anos com os partidos democráticos e populares na governança deste país.

Foto de capa: Ricardo Stuckert



No artigo

x