#MulheresContraCunha: O ato em imagens

Acompanhamos a marcha das mulheres contra o presidente da Câmara e seu PL 5069/13 em São Paulo. Confira

1080 0

Acompanhamos a marcha das mulheres contra o presidente da Câmara e seu PL 5069/13 em São Paulo. Confira

Por Anna Beatriz Anjos e Helô D’Angelo

Na última sexta-feira (30), São Paulo foi delas. Juntas, mulheres marcharam na capital paulista contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e seu projeto de lei nº 5069/13, que dificulta o atendimento às vítimas de violência sexual e restringe ainda mais as possibilidades de realização do aborto legal no Brasil.

As manifestantes caminharam por mais de três horas da Praça do Ciclista, na Avenida Paulista, à Praça da Sé, no Centro. O ato foi embalado por gritos de guerra e palavras de ordem, cantados em uníssono: “Se as mina se unir, o Cunha vai cair”; “Desce, Cunha, desce até o chão, aqui são as mulheres pra fazer revolução”; “Ô Cunha, seu machistinha, as feministas vão botar você na linha”.

Protestos contra o peemedebista e sua agenda conservadora estão marcados para acontecer em diversos locais do país (leia mais aqui). Na quinta-feira (29), foi a vez das mulheres do Rio de Janeiro se levantarem contra a retirada de direitos, em uma manifestação tão emocionante quanto a de São Paulo.

Abaixo, o ato em imagens:

mulheres-contra-cunha1
(Foto: Helô D’Angelo)
mulheres-contra-cunha2
(Foto: Helô D’Angelo)
mulheres-contra-cunha3
(Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
Aline Boalento, 20 anos, estudante: “Viemos para cá hoje justamente contra o PL 5069, mas também por conta do acúmulo [de ações] do Cunha no Congresso: ele está envolvido em escândalos de corrupção, presidiu votações ilegais – como a da redução da maioridade penal – e agora quer colocar sua moral religiosa sobre o corpo das mulheres. Lutamos principalmente pela laicidade do Estado.” (Foto: Helô D'Angelo)
Aline Boalento, 20 anos, estudante: “Viemos para cá hoje justamente contra o PL 5069, mas também por conta do acúmulo [de ações] do Cunha no Congresso: ele está envolvido em escândalos de corrupção, presidiu votações ilegais – como a da redução da maioridade penal – e agora quer colocar sua moral religiosa sobre o corpo das mulheres. Lutamos principalmente pela laicidade do Estado” (Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
Joyce Mendes, 25 anos, professora: “Hoje, estou aqui por mim, pela minha mãe e pelas minhas alunas, representando todas essas mulheres que querem ter voz, que não querem ser silenciadas e que têm o direito de levar uma vida normal, além de poderem decidir por si mesma em vez de esperar homens baterem o martelo sobre o que é bom ou ruim para elas.” (Foto: Helô D'Angelo)
Joyce Mendes, 25 anos, professora: “Hoje estou aqui por mim, pela minha mãe e pelas minhas alunas, representando todas essas mulheres que querem ter voz, que não querem ser silenciadas e que têm o direito de levar uma vida normal, além de poderem decidir por si mesmas em vez de esperar homens baterem o martelo sobre o que é bom ou ruim para elas” (Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
Aline Pinheiro, 35 anos, auxiliar de escritório, e a filha Kimberlly, de 5: “Estou aqui pelo direito de fazer o que quiser e bem entender com meu corpo. O Cunha, para sentir o que sentimos sendo mulheres, teria que se tornar uma. Nós que sabemos e sentimos na pele, pedimos fora, Cunha! Um cara que tem mãe, filha, e que sabe que a filha dele pode estar sujeita a um estupro, amaria um neto fruto de uma violência?” (Foto: Helô D'Angelo)
Aline Pinheiro, 35 anos, auxiliar de escritório, e a filha Kimberlly, de 5: “Estou aqui pelo direito de fazer o que quiser e bem entender com meu corpo. O Cunha, para sentir o que sentimos sendo mulheres, teria que se tornar uma. Nós que sabemos e sentimos na pele, pedimos ‘Fora, Cunha!’. Um cara que tem mãe, filha, e que sabe que a filha dele pode estar sujeita a um estupro amaria um neto fruto de uma violência?” (Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Helô D'Angelo)
(Foto: Helô D’Angelo)
(Foto: Mídia NINJA)
(Foto: Mídia NINJA)
(Foto: Giovanna Consentini/Jornalistas Livres)
(Foto: Giovanna Consentini/Jornalistas Livres)



No artigo

x