Cunha admite que controla contas na Suíça

O presidente da Câmara dos Deputados teria adiantado a colegas a sua estratégia de defesa diante do Conselho de Ética: assumir que controla as contas na Suíça, mas insistir que não mentiu na CPI quando questionado se as contas eram suas, já que elas...

618 0

O presidente da Câmara dos Deputados teria adiantado a colegas a sua estratégia de defesa diante do Conselho de Ética: assumir que controla as contas na Suíça, mas insistir que não mentiu na CPI quando questionado se as contas eram suas, já que elas estão em nomes de empresas que criou e têm como beneficiários seus familiares 

Por Redação*

Denunciado no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já traçou sua estratégia de defesa: ele vai assumir que controla contas na Suíça. De acordo com informações levantadas pelo jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira (5), Cunha teria adiantado seu argumento – que pretende tornar público – a colegas e parlamentares próximos.

Ele vai insistir, segundo seus correligionários, que não mentiu na CPI da Petrobras quando foi questionado se era titular de contas na Suíça. “Isso ele não é”, teriam dito, já que as contas, de acordo com as investigações suíças, estão no nome de empresas que criou e têm como beneficiários familiares seus. Além disso, de acordo com os deputados, Cunha dirá que o dinheiro movimentado nas contas é oriundo de negócios legítimos feitos ao longo dos anos 80 e 90.

Apesar dos argumentos, autoridades responsáveis pela investigação na Suíça – que o acusam de corrupção e lavagem de dinheiro – garantem que não há dúvidas de que o parlamentar brasileiro era o beneficiário e o dono do dinheiro movimentado nas contas, ainda que tenha colocado em nome de empresas. Os valores, há mais de um mês, estão bloqueados.

Caso o Conselho de Ética entenda que o peemedebista mentiu na CPI, ele pode ter o seu mandato cassado por quebra de decoro parlamentar.


* Com informações da Folha de S. Paulo

Foto: Lula Marques

 

 



No artigo

x