“Enquanto não houver diálogo, vamos ficar”, diz estudante de escola ocupada em SP

Desde terça-feira (11), alunos acampam na Escola Estadual Fernão Dias Paes, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo, em protesto contra a reorganização da rede estadual de ensino definida pelo governador Geraldo Alckmin; escola em Diadema também está ocupada

1745 0

Desde terça-feira (11), alunos acampam na Escola Estadual Fernão Dias Paes, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo, em protesto contra a reorganização da rede estadual de ensino definida pelo governador Geraldo Alckmin; escola em Diadema também está ocupada

Por Anna Beatriz Anjos

Nesta quarta-feira (11), a ocupação da Escola Estadual Fernão Dias Paes, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo, entra em seu segundo dia. O prédio está tomado por alunos que protestam contra a reorganização da rede estadual de ensino definida pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Marcos Calegari, de 16 anos, um dos estudantes que acampa na escola, relatou à Fórum que a noite foi relativamente tranquila. “Fizemos uma assembleia para decidir como ficariam os turnos, porque o pessoal estava bem cansado, estava na escola desde às 6h [de terça-feira]. Decidimos quem ficaria responsável pela comida e pela ronda”, contou. De acordo com ele, há alguns colchonetes que estão sendo compartilhados entre os jovens. Ontem (10), o fornecimento de água chegou a ser cortado, mas já foi normalizado. Há também energia elétrica e comida.

ESCOLAS EM LUTAEstudantes da Escola Estadual Fernão Dias Paes, em Pinheiros, SP, resistem e seguem ocupando a escola. Os alunos protestam contra “reorganização” proposta pelo governo estadual, que vai fechar unidades e comprimir alunos em ciclos únicos. #NãoFecheMinhaEscola#JornalistasLivresImagens: Bruno Miranda, para Jornalistas Livres

Posted by Jornalistas Livres on Quarta, 11 de novembro de 2015

“A gente decidiu ocupar porque desde o dia 6 viemos fazendo vários atos. Fomos até a Secretaria de Ensino e a Diretoria de Ensino, e parece que eles tratam estudante secundarista como bobo, acham que nossa luta não vale nada. Na Secretaria e na Diretoria não teve negociação, não quiseram nos ouvir. O modo de luta que achamos foi a ocupação, para eles verem que não estamos brincando”, argumenta Calegari. “Enquanto não houver diálogo e a gente não conseguir apresentar nessas pautas, vamos ficar.”

A Polícia Militar continua cercando o local. Por volta das 9h, segundo os Jornalistas Livres, os agentes utilizaram gás de pimenta para impedir que outros estudantes adentrassem a ocupação. Em vídeo gravado no momento da confusão, é possível ver que uma adolescente chegou a passar mal.

ESCOLAS EM LUTAURGENTE: PM que cerca Escola Estadual Fernão Dias, impede, com gás de pimenta, entrada de estudantes na escola ocupada. Clima fica tenso. Adolescentes passam mal. Vídeo: Jornalistas Livres #JornalistasLivres em defesa da educação pública#NãoFecheMinhaEscola

Posted by Jornalistas Livres on Quarta, 11 de novembro de 2015

Na noite de terça-feira, o secretário de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo, Eduardo Suplicy (PT), visitou a escola. Embora tenha ficado apenas do lado de fora, distribuiu água para os alunos que se encontravam no interior do edifício. Desde ontem, manifestantes se concentram em frente ao colégio em apoio aos jovens, que querem discutir diretamente com o governo o plano de reestruturação imposto por Alckmin.

A Escola Estadual Diadema, no centro de Diadema, também está ocupada. De acordo com o novo planejamento, ela passará, “de maneira gradativa”, a receber apenas estudantes do ensino fundamental. Já a EE Fernão Dias Paes contará somente com o Ensino Médio em 2016.

Leia também:

Educação em São Paulo: uma reorganização questionada

(Foto: Laura Viana/Brasil de Fato)

 



No artigo

x