Wagner Iglecias: Os significados da vitória de Mauricio Macri na Argentina

Por mais que tenha um discurso modernizado, Mauricio Macri é um político tradicional da direita argentina, e deverá implementar um clássico pacote de medidas cujas consequências mais duras deverão cair sobre os setores populares e a classe média

820 0

Por mais que tenha um discurso modernizado, Mauricio Macri é um político tradicional da direita argentina, e deverá implementar um clássico pacote de medidas cujas consequências mais duras deverão cair sobre os setores populares e a classe média

Por Wagner Iglecias*

Cristina Kirchner deixa a presidência da Argentina com cerca de 50% de aprovação a seu governo. No entanto, isso não foi suficiente para que conseguisse fazer com que seu correligionário Daniel Scioli, ex-governador da província de Buenos Aires, alcançasse a Casa Rosada. O kirchnerismo, iniciado com a presidência de Néstor Kirchner, em 2003, e encerrado com a derrota apertada para o direitista Maurício Macri, no último domingo (22), acumulou muitos êxitos: conseguiu reestruturar a dívida externa do país, após a quebra completa da economia argentina entre 2000 e 2002; criou políticas sociais destinadas à diminuição da pobreza; recuperou o poder de compra dos setores médios e ampliou o mercado doméstico; reestatizou empresas públicas privatizadas a preços módicos como a petroleira YPF, a Aerolíneas Argentinas, o sistema de transporte ferroviário e o setor de previdência social; promoveu uma política externa mais ativa e altiva que seus antecessores, apostando na integração latino-americana, na diminuição da dependência em relação aos EUA, no impulso à Unasul e nas relações Sul-Sul; reviu a lei que anistiava os crimes contra os Direitos Humanos praticados durante a última ditadura militar (1976-1982); propôs, para financiar políticas sociais aos mais pobres, uma maior tributação dos mais ricos e dos setores que ganharam muito dinheiro com a exportação de commodities; e aprovou legislação visando desconcentrar a propriedade dos meios de comunicação até então nas mãos de dois ou três grupos econômicos.

O kirchnerismo disputou a sua sucessão com Scioli, um candidato oficialmente kirchnerista, mas na prática um tanto distante do projeto político representado por Néstor e depois por Cristina. Pacato, pouco carismático, defendendo sem grande entusiasmo bandeiras importantes, mas consideradas já insuficientes por parte do eleitorado argentino, em especial os mais jovens, Scioli viu um repaginado Mauricio Macri quase supera-lo no 1º turno e finalmente derrota-lo na rodada final. E isso mesmo com uma união de última hora de diversas correntes peronistas em torno de seu nome.

Com o fracasso de Scioli e também de Cristina, podem ganhar força nos próximos anos as correntes não-kirchneristas do peronismo, como a representada por Sergio Massa, terceiro colocado na eleição presidencial com pouco mais de 20% dos votos no 1º turno. Ao que tudo indica, o eleitorado de Massa dividiu-se no pleito final entre Macri e Scioli, e agora cabe a ele, Massa, avaliar se vale a pena compor com o novo presidente no Congressso, onde Macri terá maioria apertada na Câmara e minoria no Senado, ou se o melhor é esperar por eventual fracasso do novo governo e reapresentar-se ao eleitorado dentro de quatro anos como uma terceira via entre o kirchnerismo e o neoliberalismo puro apresentado em nova embalagem nesta eleição na figura de Macri.

E por falar em Macri, o que poderá ser o governo dele? É importante notar que com ele a direita argentina chega ao poder após muito tempo pelas urnas, e não por meio de um golpe militar. Tudo bem que Carlos Ménem, presidente do país na década de 1990, fez um governo neoliberal, mas ao menos era do Partido Justicialista (peronista) e em sua campanha eleitoral no longínquo 1989 apresentou uma plataforma política progressista. Com Macri não é assim. Seu partido, o Cambiemos, que faz parte da coligação Proposta Republicana (PRO), buscou apresentar-se nesta eleição como uma novidade, mas defendeu uma plataforma política de direita e teve como aliado a União Cívica Radical, mais antigo partido político argentino em atividade, fundado em 1891. Macri, cuja família enriqueceu durante o último ciclo militar (1976-1982), esteve inclusive próximo a Ménem nos anos 1990, presidiu o Boca Juniors e foi prefeito de Buenos Aires. Não é um novato, portanto. E por mais que tenha um discurso modernizado, é um político tradicional da direita argentina, e deverá implementar um clássico pacote de medidas cujas consequências mais duras deverão cair sobre os setores populares e a classe média. A Argentina deverá encarar no curto e médio prazos um duro ajuste das contas públicas, a desvalorização cambial, cortes nos gastos e investimentos estatais, nova rodada de abertura comercial, alívio tributário para os setores exportadores e um reordenamento da política externa do país. Não se pode dizer que esteja totalmente descartada uma nova rodada de privatizações de empresas estatais. Provavelmente muito disso vai depender da capacidade de resistência dos segmentos populares e dos setores progressistas do país.

Em termos de política externa é importante lembrar que o Brasil, principal parceiro comercial de Buenos Aires, é um vizinho do qual a Argentina não pode abrir mão. Macri já anunciou inclusive que sua primeira visita oficial já como presidente será a Brasília. Assim como a Argentina é hoje muito dependente das exportações para a China e dos investimentos chineses para se dar ao luxo de esfriar as relações com Beijing. Mas muito provavelmente o país não cerrará mais fileiras, como ocorreu durante os anos Kirchner, com vizinhos governados por forças de esquerda como Bolívia, Equador, Cuba e Venezuela nas iniciativas de integração regional latino-americana e no fortalecimento da Unasul. Pelo contrário, não será surpresa se Buenos Aires aproximar-se, a partir do próximo ano, dos países da região mais restritos à órbita de Washington, como Chile, Peru, Colômbia e México, e caminhar em direção à Aliança do Pacífico. Em relação especificamente ao Mercosul, o novo governo argentino deverá defender que a Argentina possa estabelecer acordos bilaterais com outros países ou outros blocos econômicos sem que pra isso precise estar acompanhado dos demais países-membros (Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela). E deverá inclusive trabalhar para que a Venezuela seja suspensa ou mesmo expulsa do bloco, por conta da Cláusula Democrática do Mercosul e a questão dos presos políticos mantidos pelo governo de Caracas.

No plano da política doméstica, ainda que não conte, por ora, com maioria no Congresso, Macri terá consigo os governadores das quatro maiores províncias do país. Não é algo de menor importância um presidente argentino ter sob controle de aliados o governo da província de Buenos Aires e também a prefeitura da capital do país, como vai ocorrer a Macri. A movimentação das diversas correntes peronistas de aproximação ou de afastamento em relação a seu governo nas próximas semanas e meses dirá se ele terá maior ou menor dificuldade em governar. A Cristina Kirchner, que parece nunca ter abraçado com o entusiasmo necessário a candidatura do derrotado Scioli, caberá observar o que se passará na Argentina nos próximos quatro anos. No caso de eventual fracasso de Macri, poderá ressurgir candidata como ressurgiu sua colega chilena Michelle Bachelet, que teve seu candidato Eduardo Frei derrotado em 2010 por um direitista como Macri, Sebastian Piñera, e quatro anos depois, diante do fracasso das medidas neoliberais deste, foi reconduzida ao poder pela vitória nas urnas.

Sobre a vitória de Macri, um último ponto a ressaltar: trata-se da vitória de um marketing eleitoral inovador, cada vez mais presente em toda a América Latina e inventado e crescido nas brechas dos erros dos governos progressitas. Embora não seja tão jovem, Maurício Macri é da lavra de líderes de direita jovens, como o Enrique Peña Nieto (México), Aécio Neves (Brasil), Capriles Radonski (Venezuela), Mauricio Rodas (Equador), Carlos Calleja (El Salvador) etc. Vende para a sociedade uma conjugação de sinais favoráveis à mudança (não a toa seu partido se chama Cambiemos), valorizando inclusive algumas conquistas sociais ocorridas sob os governos de esquerda, com valores típicos da direita liberal, como o individualismo, a meritocracia, o dinamismo, a jovialidade e o sucesso na vida pessoal e no mundo empresarial.

Levando-se em conta a provável derrota eleitoral de Nicolás Maduro na eleição parlamentar da Venezuela, dentro de alguns dias, e as imensas dificuldades que está enfrentando o governo Dilma, no Brasil, a Argentina de Macri poderá estar inaugurando um novo período histórico na região, com o pêndulo político que levou o país e alguns de seus vizinhos para a esquerda nos últimos quinze anos voltando-se agora para a direita e caminhando novamente em direção a Washington. A conferir.

(*) Wagner Iglecias é doutor em Sociologia e professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) e do Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina da USP

(Foto: Site oficial Mauriciomacri.com.ar)



No artigo

x