Secretário de Direitos Humanos do RJ, sobre “cura gay”: “Creio, plenamente”

Pastor Ezequiel Teixeira, secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, fez a afirmação ao comentar em entrevista fechamento de quatro centros de assistência à população LGBT. “Creio que todo mundo pode receber uma...

1271 0

Pastor Ezequiel Teixeira, secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, fez a afirmação ao comentar em entrevista fechamento de quatro centros de assistência à população LGBT. “Creio que todo mundo pode receber uma transformação, uma mudança”

Por Redação

O secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Pastor Ezequiel Teixeira, disse, em entrevista ao jornal O Globo, acreditar na “cura gay”. “Poxa, o senhor crê na cura? Eu creio, plenamente. Eu não creio só na cura gay, não. Creio na cura do câncer, na cura da Aids… Sabe por quê? Porque eu sou fruto de um milagre de Deus também”, afirmou. “Mas creio que todo mundo pode receber uma transformação, uma mudança.”

As declarações de Teixeira foram feitas em uma entrevista a respeito do Rio Sem Homofobia, relacionado à pasta. No início do mês de janeiro, mais de 60 funcionários do projeto foram demitidos e quatro centros de Cidadania LGBT que ofereciam atendimento psicológico, jurídico e social tiveram que ser fechados por falta de pessoal. O Disque Cidadania LGBT, que recebia denúncias, também foi suspenso.

Cláudio Nascimento, coordenador do Rio Sem Homofobia, havia criticado o corte feito no programa. “Diante da crise, poderíamos entender até uma redução deles, mas não essa interrupção. Isso gera um prejuízo enorme. Não há razão para uma política LGBT existir se ela não está atendendo às demandas da população”, disse.

De acordo com o secretário, a situação decorre da crise financeira do estado, e, em relação às críticas de Nascimento, Teixeira foi taxativo. “Os incomodados que se mudem. Eu estou aqui e bem. Quem é o secretário? Se está desconforme com o secretário, o que vou fazer? Eu não o poderia ter exonerado? Eu exonerei várias pessoas… Estou tentando caminhar.”

Um dos fundadores da igreja evangélica Projeto Nova Vida e deputado federal filiado ao Partido da Mulher Brasileira, o secretário se diz vítima de “intolerância” por conta de sua trajetória como pastor. Já Nascimento sustenta que a frase do secretário sobre a “cura gay” mostra “a dificuldade dele de lidar com as diferenças e contradições”.

O governador Luiz Fernando Pezão afirmou na tarde desta quarta-feira (17) que “tomará providências”. “Não sabia das opiniões dele e lamento as declarações. Não é meu posicionamento, sou totalmente contra. Vou chamá-lo para conversar”, disse.

Foto de capa: Reprodução



No artigo

x