Um viral mentiroso

Ou como a mídia prepara o terreno do golpe, para que psicopatas façam seu trabalho Por Adriana Dias...

842 0

Ou como a mídia prepara o terreno do golpe, para que psicopatas façam seu trabalho

Por Adriana Dias

Há cerca de um mês, um pouco antes de eu adoecer e me ausentar, uma querida professora manifestou numa rede social ter recebido um áudio atribuído ao ex-ministro do STF Joaquim Barbosa. Procurei-o na web e estava viral, e era de fato atribuído a ele em todas as postagens. Percebi logo que se tratava de uma falsificação, fato que logo em seguida ele mesmo afirmou no Twitter. Mas o que mais me surpreendeu não foi sua pronta resposta. Ele é um homem de caráter, que age segundo suas convicções, e não faria esse tipo de mesquinharia e nem se prestaria a tal sordidez. Impressionou-me o número de pessoas que afirmavam que mesmo ele negando a autoria, não desmentiriam o fato e continuariam a disseminar o áudio.

Um exemplo vemos na imagem a seguir, que também tem a desmentida do ministro.

figura

 

 

Depois do fato, coloquei o pensamento a problematizar porque escolheram Joaquim Barbosa para eleger como o elemento que atraíram com a mensagem de áudio, que pedia apoio ao juiz Sérgio Moro, e garantia que ele prenderia todos os corruptos do Universo, sem distinção de credo, partido e cor de camisa de futebol (o que pessoalmente eu não acredito de jeito nenhum).

Achei então, uma pesquisa do DataFolha (sempre ela, aliás!)  realizada nos dias 24 e 25 de fevereiro de 2016, poucos dias antes do áudio ser viralizado, e segundo ela teria tido a participação de  2768 brasileiros em 171 municípios. Olhei os dados da pesquisa em questão, e o que me surpreendeu é que o partido mais citado como de preferência era o PT. E o personagem mais citado, Joaquim Barbosa. Ou seja, embora eu tenha visto alguns problemas metodológicos na pesquisa, fato que depois vou abordar em um artigo, a Folha apontava para o fato de que Joaquim Barbosa era capaz de convencer até mesmo a maioria do eleitorado feminino petista, segundo ela a maioria dos pesquisados naquela análise de opinião.

Aí depois que se solta esse resultado impressionante, ALGUÈM tem a ideia de viralizar um áudio atribuindo ele a Joaquim Barbosa. Logo depois ele nega. Mesmo assim, muitos mantêm a divulgação. E logo depois a Folha começa uma campanha difamatória contra o Ministro que usa publicamente o Twitter para se defender, Joaquim lembra a todos a trajetória da Folha em arruinar reputações.

figura 1

Bom, se você acredita no Ministro Joaquim Barbosa, tem um bom motivo agora para odiar a imprensa golpista!



No artigo

x