O retrato de Michel Gray

Ardilosos executivos da grande imprensa golpista, articularam com Temer entrevistas exclusivas para segunda-feira, caso o golpe seja aprovado. O editor de seu livro de poesias prepara uma nova edição de luxo, com um milhão...

874 1

Ardilosos executivos da grande imprensa golpista, articularam com Temer entrevistas exclusivas para segunda-feira, caso o golpe seja aprovado. O editor de seu livro de poesias prepara uma nova edição de luxo, com um milhão de cópias. Que país não desejaria ter um poeta como presidente?

Por Adriana Dias

O texto abaixo tem doses grandes de ironia. Hoje em dia é bom avisar.

Michel Temer não é apenas um político, um vice-presidente decorativo. O ex-procurador de justiça e ex-secretário de Segurança de SP, do governo Montoro, tem um temperamento ambicioso, acostumado a grandes empreitadas. Escreveu um livro de poesias sem se incomodar com os comentários alheios acerca da capacitação para tanto, sem medo de ser comparado a Drummond, Bandeira ou Pessoa.

Ele sabia que jamais o seria. Mas, o fez, servindo de exemplo para o que poderia ser um programa nacional de alfabetização: Minha poesia, Minha vida. Sempre aberto a mudanças, a aventuras, a conquistas mudou de lado todas as vezes possíveis, ensaiou sair do governo PT na ocasião do Mensalão, mas como Lula não perdia a popularidade, voltou de braços abertos, num gesto de generosidade extrema com sua esposa, para lhe garantir mais páginas em reportagens da revista Caras, como candidato a vice.

É um cosmopolita, apreciador da capacidade humana de negociatas, e as dirige de maneira impressionante: sem mover um musculo facial. Não se sabe se é excesso de botox, ou anos de treinamento na frente do quadro, presente do vitoriano Dorian Gray, que lhe sugou toda expressão sobre a verdade de suas intenções, de modo que Temer conseguisse falar da tortura policial em São Paulo (que ele jurava a Folha ter exterminado) e das Campanhas pelas Diretas Já, exatamente com a mesma expressão: sem mover um músculo.

Seu implante capilar, seguido à risca por 10 entre 10 carecas do PMDB, segundo Gregorio Duvivier, é mantido impecável com doses de laquê de fazer inveja a qualquer dama de família quatrocentena paulistana. Mesmo após horas de debates na Câmara, Temer continua impecável. Laquê e o retrato de Dorian Gray. Uma dupla que provoca assobios e aplausos em Marcela. E em Cunha, Sarney e seus históricos aliados.

Ardilosos executivos da grande imprensa golpista, articularam com Temer entrevistas exclusivas para segunda-feira, caso o golpe seja aprovado. O editor de seu livro de poesias prepara uma nova edição de luxo, com um milhão de cópias. Que país não desejaria ter um poeta como presidente?

Neste domingo, o país com alma de torcida terá a final do quarto turno presidencial transmitida ao vivo. A Campeã do Segundo e do Terceiro turno enfrentará seu vice, numa situação nunca vista antes em nenhum país sério da Via Láctea. De um lado, uma presidenta, é verdade, sem carisma, mas também sem crime. Do outro, um vice, cheio de botox, laquê, acusações, aliados corruptos, canalhas. Imagino, e espero de coração, que nem o quadro de Dorian Gray segure essa.



No artigo

1 comment

  1. José Carlos Vieira Filho Responder

    Depois dos Maribondos de Fogo, qualquer palhaço pode posar de poeta.


x