Dilma: “A luta pela democracia não tem hora para acabar. Nunca vou desistir de lutar”

Em pronunciamento após ser notificada de seu afastamento, Dilma conclama a mobilização popular pela retomada de seu mandato. “Olho para mim mesma e vejo alguém que tem a força de defender direitos” Por Sarah Fernandes,...

1451 1

Em pronunciamento após ser notificada de seu afastamento, Dilma conclama a mobilização popular pela retomada de seu mandato. “Olho para mim mesma e vejo alguém que tem a força de defender direitos”

Por Sarah Fernandes, na RBA

A presidenta Dilma Rousseff prometeu que lutará até o fim, com todos os recursos jurídicos possíveis, para completar seu mandado, que termina em 31 de dezembro de 2018. Em pronunciamento oficial no Palácio do Planalto, no início da tarde de hoje (12), logo após ser notificada de que o Senado havia admitido o processo de seu impeachment, Dilma afirmou que foi vítima de uma sabotagem para criar um clima de instabilidade que justificasse o golpe e de uma injustiça que quer deslegitimar o voto de milhões de brasileiros e acabar com um projeto político de inclusão social.

“Vamos mostrar ao mundo que há milhões de defensores da democracia em nosso país. Eu sei e muitos sabem que a História é feita com luta, e sempre vale a pena lutar pela democracia. É o lado certo da História. Jamais vou desistir de lutar”, disse. “Este golpe não visa apenas me destituir, uma presidenta eleita pelo voto de milhões em uma eleição justa. Ao destruir meu governo, querem na verdade impedir a execução do programa que foi escolhido pelos votos majoritários. O golpe ameaça não só a democracia, mas conquistas que a população alcançou na última década.”

Ao fim da sessão iniciada ontem, o Senado aceitou o pedido de julgamento do processo de impeachment, por 55 votos contra 22. A partir de hoje Dilma fica afastada do cargo por até 180 dias, sem perda de mandato, enquanto senadores julgam se Dilma cometeu ou não crime de responsabilidade.

Após a declaração, Dilma deixou o Palácio pela porta da frente, caminhou até a Praça dos Três Poderes e foi recebida por centenas de eleitores e militantes de movimentos sociais.

“Tenho orgulho de ser a primeira mulher eleita presidenta do Brasil. Nestes anos, exerci meu mandato de forma digna e honesta. Honrei os votos que recebi, e em nome deles e de todo o povo vou lutar com todos os instrumentos legais que disponho para exercer meu mandato até o fim, em 31 dezembro de 2018”, disse. “Meu governo foi vítima de sabotagem. Não me deixaram governar para forjar um ambiente propício ao golpe.”

A presidenta reafirmou que o que está em jogo não é apenas seu mandato, mas um projeto político de inclusão social, que foi eleito nas urnas. “O que está em jogo é o respeito às urnas, à vontade soberana do povo e à Constituição. O que está em jogo são as conquistas dos últimos 13 anos: os ganhos dos mais pobres e da classe média, a proteção à criança, os jovens nas universidades, a valorização do salário mínimo, os médicos atendendo a população e o sonho da casa própria. O que está em jogo é também a grande descoberta do pré-sal, o futuro do país e a esperança de avançar sempre mais.”

Dilma reafirmou que sofreu um golpe da oposição, já que se trata de um impeachment sem crime de responsabilidade. As chamadas “pedaladas fiscais” e a emissão de seis decretos de crédito suplementar em 2015, que embasam o processo de impeachment, são, reafirmou, autorizadas pela lei e foram instrumentos utilizados inclusive pelos presidentes que a sucederam. “Estou sendo julgada por fazer o que fui autorizada pela lei a fazer. Os atos que pratiquei foram legais, corretos e necessários”, disse. “Nada restou para ser pago. Não há dívidas. Jamais  um mandato legítimo poderá ser interrompido por atos legítimos de gestão orçamentária. O Brasil não pode ser o primeiro a fazer isso.”

“Não tenho conta no exterior, nunca recebi propina, jamais compactuei com corrupção. É um processo fraudulento, inconsistente juridicamente e injusto, desencadeado contra uma pessoa honesta. A maior brutalidade que pode ser cometida contra qualquer ser humano é puni-lo por um crime que não cometeu. Não existe injustiça mais devastadora que punir um inocente. Essa farsa jurídica de que estou sendo vítima deve-se ao fato de que nunca aceitei chantagem de qualquer natureza. Posso ter cometido erros, mas não crimes.”

“O destino sempre me reservou muitos desafios”, continuou. “Foram muitos e grandes desafios, alguns que pareciam intransponíveis, mas consegui vencê-los. Já sofri a dor indizível da tortura, a dor aflitiva da doença e agora sofro novamente a dor inominável da injustiça. O que mais dói é a injustiça. É perceber que estou sendo vítima de uma farsa jurídica e política. Mas não esmoreço. Olho para trás e vejo tudo o que fizemos, olho para frente e vejo tudo o que precisamos fazer. Olho para mim mesma e vejo a face de alguém que tem a força de defender ideais e direitos.”



No artigo

1 comment

  1. Valquíria Responder

    Sra Presidente , muitos a contestam , outros tantos te odeiam , mas milhões são por ti . Féh ! O destino conspira favoravelmente . . . Você não está sóh ! Never ! ! !


x