Movimentos marcam manifestação em apoio aos estudantes presos em SP

Cerca de 50 secundaristas que ocupavam unidades de ensino no estado, em protesto contra a ‘máfia das merendas’, foram reprimidos – com relatos até mesmo de assédio sexual – e detidos pela PM em...

523 0

Cerca de 50 secundaristas que ocupavam unidades de ensino no estado, em protesto contra a ‘máfia das merendas’, foram reprimidos – com relatos até mesmo de assédio sexual – e detidos pela PM em uma ação sem mandado judicial. SSP alega que os conduziu para “serem identificados e prestarem esclarecimentos”. Assista ao vídeo [imagens fortes] de uma das desocupações realizada pela polícia

Por Redação

Movimentos estudantis, pais e alunos convocam para as 17h desta sexta-feira (13), na Praça do Ciclista, em São Paulo, uma manifestação em solidariedade aos estudantes secundaristas presos e contra a chamada ‘máfia das merendas’, que tem como suspeitos de envolvimento deputados estaduais e membros do primeiro escalão do governo do estado.

Pela manhã, a Polícia Militar realizou operações de desocupação em ao menos três unidades da rede de ensino estadual que estavam ocupadas pelos estudantes: na Escola Técnica Tiradentes (Etesp Tiradentes), Diretoria de Ensino Centro-Oeste e Diretoria de Ensino Norte-Guarulhos). Todas as intervenções, de acordo com os estudantes e seus advogados, teriam sido realizadas sem uma decisão (mandado) judicial.

A secretaria de Segurança Pública (SSP), até o momento, não divulgou um número exato de estudantes detidos, se limitando a informar, por meio de nota, que “desocupou pacificamente as unidades de ensino” e que “alguns estudantes foram detidos para identificação e prestação de esclarecimentos”. Versão contestada pelos estudantes.

“Na hora da invasão o choque já entrou batendo nos escudos e em ponto de batalha. As mulheres presentes foram humilhadas, fomos levadas ao banheiro uma a uma e obrigadas a retirar as roupas para ‘revista minusiosa’ e ainda ouvir palavras de baixo calão dirigidas a nós, nos chamaram de vagabunda e outras coisas”, disse à página ‘O mal educado’ uma aluna que ocupava a Diretoria de Ensino Norte-Guarulhos e que preferiu não ser identificada.

De acordo com o governo, as desocupações sem mandado judicial foram realizadas sob a recomendação da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) que, anteriormente, já havia sido procurada pelo até então secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes (recém-nomeado ministro da Justiça pelo governo provisório de Michel Temer), para que fosse usado o conceito de autotutela, em que o Estado é o responsável pelos seus bens.

Depoimentos e imagens divulgadas por jornalistas e estudantes, no entanto, contrastam com a informação da SSP de que as desocupações foram pacíficas. Um vídeo divulgado pelos Jornalistas Livres, por exemplo, mostra a violenta condução dos estudantes para a viatura policial na Diretoria de Ensino Centro-Oeste.

Leia mais sobre o assunto

Ordens para a ‘máfia das merendas’ em SP saíram do Palácio dos Bandeirantes

Estudantes que pediam CPI da Merenda são retirados à força da Alesp

Pressão dos estudantes leva tucanos a avaliar criação de CPI da Merenda

Foto: O Mal Educado



No artigo

x