Para ex-ombudsman da Folha, ruptura institucional é “resultado direto da degradação do jornalismo”

Em artigo, Mario Vitor dos Santos afirma que “os cuidados éticos foram sacrificados a tal ponto que o jornalismo promove a derrubada de uma presidente até agora considerada honesta” Por Redação...

1724 0

Em artigo, Mario Vitor dos Santos afirma que “os cuidados éticos foram sacrificados a tal ponto que o jornalismo promove a derrubada de uma presidente até agora considerada honesta”

Por Redação

O jornalista e ex-ombudsman da Folha de S. Paulo Mario Vitor dos Santos publicou artigo nesta sexta-feira no qual fala a respeito da relação entre o jornalismo e a ruptura institucional ocorrida com o afastamento da presidenta Dilma Rousseff.

No texto, Santos afirma que os veículos brasileiros, “quase todos em dificuldades financeiras e assediados pelos novos hábitos do público, uniram esforços na defesa de uma ideia única”.

Confira abaixo:

Apocalipse do jornalismo

A ruptura institucional em via de ser completada no Brasil é resultado direto da degradação do jornalismo posto em prática por quase todos os meios de comunicação no país. Os cuidados éticos foram sacrificados a tal ponto que o jornalismo promove a derrubada de uma presidente até agora considerada honesta.

Jornalismo deve informar os fatos de pontos de vista diferentes e contrários, encarnar ideias em disputa, canalizar o entrechoque de versões, sublimar antagonismos.

Veículos brasileiros, ao contrário, quase todos em dificuldades financeiras e assediados pelos novos hábitos do público, uniram esforços na defesa de uma ideia única. Compactaram-se em exageros, catastrofismo e idiossincrasias. Agruparam-se de um lado só da balança, fortes para nocautear um governo, mas fracos para manter sua própria razão de existir, a autonomia.

Poderia ser diferente. As denúncias de corrupção da Operação Lava Jato deveriam mesmo merecer toda a atenção de uma imprensa aguerrida. Deveriam mobilizar controles e cuidados na mesma proporção. No entanto, se a justiça da Lava Jato tem alvo preferencial, o jornalismo não deveria ter. Quem defende o equilíbrio quando justiça seletiva e jornalismo discricionário se fundem?

Continue lendo aqui

Foto de capa: Roberto Stuckert Filho/PR



No artigo

x