Rede Globo, não lhe daremos sossego

“Nossa postura de enfrentamento ao golpismo promovido pela Rede Globo seguirá. Uma onda de combate ao mau jornalismo foi criada, onde várias pessoas também aderiram à campanha”, diz em artigo Luiz Henrique Oliveira, o...

2255 0

“Nossa postura de enfrentamento ao golpismo promovido pela Rede Globo seguirá. Uma onda de combate ao mau jornalismo foi criada, onde várias pessoas também aderiram à campanha”, diz em artigo Luiz Henrique Oliveira, o ativista digital mais conhecido como “Barbudinho” que já invadiu o link da emissora denunciando o golpe em cinco ocasiões diferentes. Leia

Por Luiz Henrique Oliveira*

Há décadas os brasileiros são manipulados e não percebem, ou percebem e fingem não perceber. A Globo não é somente um veículo de comunicação famoso por suas novelas ou atrações idiotas que chamam atenção do público, do qual sem opção, acaba aderindo à sua grade de programação. “A verdade é dura, a rede globo apoiou a ditadura” vêm sido esbravejado pela esquerda brasileira e movimentos populares nos atos contra o golpe e contra o governo ilegítimo de Temer, mas parece que esta forte expressão não está no entendimento das famílias brasileiras que acompanham a emissora.

Editoriais em apoio a ditadura no Brasil estavam estampados nos jornais do grupo Globo. Depois das manifestações de junho quando estas informações vieram à tona novamente, a emissora, encurralada, precisou prestar esclarecimentos e admitiu em público que este apoio foi um erro grave. A ditadura militar deixou uma cicatriz imensa na história do Brasil e a Globo foi o instrumento que a sustentou. Essa cicatriz jamais será curada, mas no passar dos tempos, esse assunto vem sendo menos discutido no cotidiano dos brasileiros e pouco explorado na sala de aula, ao mesmo tempo em que são poucos os alunos que se interessam pelo tema.

A Globo detém a maior audiência em horários nobres. A capacidade de alienar seu público é inenarrável. Dá para contar nos dedos as vezes em que a palavra “ditadura” foi dita nesse partido político disfarçado de empresa jornalística. As pessoas são ignorantes, são manipuláveis e têm a capacidade de consentir com quais quer que sejam as informações repassadas pela emissora, sem serem capazes de se questionar sobre a existência de um outro ponto de vista.

A parcialidade e seletividade promovida pela emissora, conseguiu levar adiante o golpe jurídico, parlamentar e institucional no Brasil, emplacando o governo ilegítimo de Temer, com a ajuda das arbitrariedades de Eduardo Cunha, afastado de seu mandato e consequentemente da presidência da Câmara dos Deputados pelo STF. Em uma de nossas intervenções deixamos claro nosso posicionamento em relação a submissão de Temer a Cunha e a Rede Globo: “Cunha e Globo mandam no Temer”, transmitida ao vivo no Jornal do SBT no dia 4 de maio.

Sem muitas opções, a Globo parece preferir não divulgar as ações impopulares implantadas por Cunha, Temer e seus capachos, inclusive não faz questão de explorar a discriminação na falta de mulheres, negros e jovens na composição do governo. Endeusar Temer e torna-lo salvador da pátria é seu objetivo, além de esconder da população o quão medíocre e desprezível está sendo a condução dessa gestão interina.

Enquanto isso acontece, o povo prefere continuar assistindo novelas e telejornais tendenciosos, sendo simples marionetes de um veículo de comunicação que, notoriamente, tem um posicionamento contrário à esquerda brasileira, aos movimentos sociais, aos trabalhadores, às centrais sindicais e incentiva a criminalização destes movimentos.

Nossa postura de enfrentamento ao golpismo promovido pela Rede Globo seguirá. Uma onda de combate ao mau jornalismo foi criada, onde várias pessoas também aderiram à campanha, entrando em transmissões ao vivo para constranger a Globo e suas afiliadas. Esperamos que esta forma pacífica de manifestação se prolifere e esta maneira ousada de mostrar a podridão que existe na Globo, chame atenção do povo preguiçoso que discute política se baseando em mentiras e contradições.

*Luiz Henrique Oliveira, mais conhecido nas redes como “O Barbudinho”, é ativista digital e estudante de Marketing



No artigo

x