Jornalista do IG denuncia assédio de MC Biel

O cantor, durante uma entrevista, chamou a repórter de “gostosinha”, disse que a “quebraria no meio” e ofereceu beijo – atitudes que, pela lei, configuram assédio. Vítima denunciou o jovem na Delegacia da Mulher...

5662 0

O cantor, durante uma entrevista, chamou a repórter de “gostosinha”, disse que a “quebraria no meio” e ofereceu beijo – atitudes que, pela lei, configuram assédio. Vítima denunciou o jovem na Delegacia da Mulher e caso segue na Justiça. Biel, por sua vez, minimizou: “Não consigo entender como não levaram na brincadeira (…) Nem homem sou. Sou menino”

Por Redação

O cantor MC Biel resolveu falar somente na manhã deste domingo (5) sobre o caso que vem repercutindo desde a última sexta-feira (3). Ele assediou uma repórter do portal IG que o entrevistava sobre seu novo álbum. Pelas redes sociais, o jovem minimizou o caso e afirmou que estava “brincando”.

“Não consigo entender como não levaram na brincadeira (…) Machista? Nem homem me considero ainda pra ser prepotente ao ponto. Sou um menino, menino que brinca, menino sem papas na língua, menino que sorri”, escreveu.

A jornalista, que teve o nome ocultado para privacidade, contou ao site “Delas”, também do IG, em detalhes o episódio que a traumatizou e a fez denunciar o cantor na Delegacia da Mulher.

De acordo com a repórter, Biel, no meio da entrevista, disse que a “quebraria no meio” se a “pegasse”, a chamou de “gostosinha” e ainda, aos olhares maliciosos, lhe ofereceu beijos.

“Quando ele disse, logo de cara, ‘se eu te pego, te quebro no meio’, já fiquei com o pé atrás. Estranhei o fato de não ter um filtro no que ele dizia, não ter uma certa barreira ou limite na relação entre repórter e entrevistado. A partir do momento que ele falou isso, minha primeira reação foi um choque. Ele trata assim mesmo quem está ali trabalhando com ele, e enquanto ele está trabalhando também?”, questionou.

De acordo com a delegada que atendeu o caso da repórter, as atitudes de Biel podem ser consideradas como abusivas e configuram, sim, assédio.

“Existe toda uma consequência psicológica em questão, a mulher precisa entender que tem o direito de ser tratada com respeito”, explicou a delegada Giovanna Valenti.

“O tempo todo me deram todas as direções, me falaram sobre o processo e me explicaram que estava errado ele me chamar de gostosinha, me oferecer beijo. Me explicaram que realmente a postura e até o jeito de olhar eram indícios de assédio sexual”, afirmou a jornalista.

 

 

 

 

 



No artigo

x