Negros escracham manifestação de brancos em apoio a morte de criança

Durante protesto de grupos contra e a favor da morte de Ítalo, PMs responsáveis pela segurança da sede do governo Alckmin bateram continência para apoiadores da violência policial Por Fausto Salvadori, Kaique Dalapola e Daniel...

3959 0

Durante protesto de grupos contra e a favor da morte de Ítalo, PMs responsáveis pela segurança da sede do governo Alckmin bateram continência para apoiadores da violência policial

Por Fausto Salvadori, Kaique Dalapola e Daniel Arroyo, na Ponte Jornalismo

Era para ter sido o dia em que aproximadamente 20 moradores do Morumbi, bairro nobre da zona sul de São Paulo, quase todos brancos, se reuniram para declarar apoio aos policiais que mataram uma criança de dez anos, Ítalo Ferreira de Jesus Siqueira. Mas um grupo um pouco maior, com cerca de 30 pessoas, quase todos negros, vindos de bairros da periferia, mudou a história que se desenrolou na manhã do último sábado (11/6).

Levando faixas que chamavam os manifestantes do Morumbi de “racistas assassinos” e cartazes com os rostos de jovens mortos em chacinas cometidas pela Polícia Militar em Osasco (SP) e Mogi das Cruzes (SP), os negros roubaram a cena da manifestação dos brancos bem no coração do Morumbi, diante do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo Geraldo Alckmin (PSDB).

Cada grupo se instalou de um lado da Avenida Morumbi, os militantes da periferia gritando “racistas, fascistas, não passarão” e “não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da Polícia Militar”, enquanto os moradores do Morumbi respondiam com “apoiamos a PM” e “criança é na escola, bandido é na cadeia”. Nesse embate, os representantes do Estado escolheram um lado. Diante dos manifestantes brancos, um grupo de seis policiais que atuam na segurança externa do Palácio bateu uma solene continência e agradeceu pelo ato.

“Obrigado, comandante”, disse o tenente Damasceno, líder do grupo de policiais, a um dos manifestantes pró-violência policial, o deputado federal e PM da reserva Major Sérgio Olímpio Gomes (SD-SP). Perguntado pela Ponte Jornalismo a respeito do motivo do gesto, o tenente declarou: “A continência é um sinal de respeito a todos os cidadãos de bem”. Enquanto o oficial se explicava, um dos cidadãos de bem aplaudia os policiais gritando “Não espera bandido atirar, não, mete bala e mata, mata!”.

Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Em nota, a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública afirmou que “a continência é um cumprimento militar e é realizado entre policiais, inclusive os que estão na reserva”, negando que os policiais militares tivessem tomado partido de um dos lados das manifestações. “A PM acompanhou as duas manifestações para garantir a segurança de todos os envolvidos, assim como faz em todos os protestos”, afirmou.

Os policiais que fizeram a continência aos manifestantes do Morumbi pertencem ao 16º Batalhão da Polícia Militar Metropolitana, o mesmo dos PMs Israel Renan Ribeiro da Silva e Otávio de Marqui, que mataram Ítalo com um tiro na cabeça em 2 de junho, após o menino furtar um carro de um condomínio na Vila Andrade, vizinha ao Morumbi. Os PMs afirmam que o menino estava armado e atirou três vezes contra eles enquanto dirigia o carro. A mesma versão também é defendida também pelo governador Geraldo Alckmin, embora tenha contrariada por um menino de 11 anos, que estava com Ítalo e disse que ele estava desarmado, e pela perícia da Polícia Civil, que não encontrou sinais de disparo feitos de dentro do automóvel.

Começou com os brancos

Os manifestantes pró-PM chegaram primeiro ao local, por volta das 10h, após estacionarem seus carros em ruas próximas do Palácio. Formaram um grupo discreto, sem faixas nem cartazes. “Esse ato é para mostrar ao governador que apoiamos os policiais”, disse Celso Neves Cavallini, presidente do Conseg (Conselho de Segurança) Portal do Morumbi, responsável pela organização do ato.

Pai de quatro filhos, Cavallini não se incomodou em apoiar a morte de Ítalo, que para ele não era uma criança, mas um bandido como qualquer outro. “Com dez, doze ou dezoito anos, naquele momento ele era um marginal, um criminoso, que poderia ter atingido qualquer pessoa na rua quando atirou de dentro do carro”, afirmou.

Cavallini também contou que o Conseg está pagando os custos da defesa dos PMs que mataram Ítalo. “Tenho certeza que a ação dos policiais foi legítima. Eu confio na palavra dos policiais, que são autoridades constituídas”, afirmou Cavallini. Não é a primeira vez que a entidade apoia a violência policial. Em setembro do ano passado, o mesmo Conseg organizou uma “vaquinha” destinada a ajudar 11 policiais acusados da execução de dois jovens, um dos quais foi atirado de um telhado — por sinal, PMs que pertenciam ao mesmo 16º Batalhão dos policiais que mataram Ítalo.

Além de defender a morte de Ítalo (“prefiro a morte de um criminoso mirim de dez anos a um policial pai de família”), outro dos manifestantes, o deputado Major Olímpio, não poupou ofensas ao atacar o ouvidor das polícias de São Paulo, Júlio César Neves. “Nós temos um idiota de um ouvidor da polícia de São Paulo, preconceituoso, e ele tenta encaixar uma versão de barbárie policial dentro dos fatos. Ele tenta o tempo todo desmoralizar a polícia dizendo: ‘não confie nos PMs, que eles são bárbaros’ e esse maldito tem escolta de policiais para a proteção da vida dele”, criticou.

Procurado pela Ponte, Julio disse que não comentaria as declarações do deputado. “Não merece uma resposta”, afirmou.

Chegam os negros

Por volta das 10h30, os apoiadores da polícia foram surpreendidos com a chegada de militantes de movimentos negros e de coletivos da periferia. “Estamos mais uma vez denunciando e aqui prontos para o enfrentamento contra o povo que apoia o genocídio do povo negro”, anunciou o militante Alaru numa caixa de som levada para o ato, assim que avistou os manifestantes brancos.

Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Vindo de Caieiras, na Grande SP, o desempregado Isaías Toledo, 19, gastou 1h40 em ônibus e trem até chegar para chegar local. Foi a primeira vez que pisou no Morumbi. “Ia fazer o que aqui?”, brincou. Disse que estava lá para denunciar a violência do Estado. “Ítalo é mais um exemplo da manipulação da polícia para praticar um racismo institucionalizado”, afirmou.

“Estou aqui lutando contra a burguesia que quer ir pra rua para naturalizar e banalizar a nossa morte. A morte de jovens, negros, da periferia”, disse a auxiliar de serviços gerais, Tatiane Nefertari, 21, moradora da Vila Formosa, zona leste de São Paulo.

Os gritos e as faixas que chamavam os participantes do ato pró-polícia de “racistas” foram o que causou mais incômodo. “Não somos racistas, olha aqui meu amigo”, rebateu a policial civil Mercedes Alvarez, uma das manifestantes, dando as mãos para o vendedor João Henrique Gonçalves, 31 anos, um dos poucos negros presentes ao ato pró-polícia. João, o amigo, rebateu: “A questão aqui não é racismo. O policial quando atira não tem que saber se é loiro ou japonês. Estou aqui defendendo a PM e reivindicando segurança”.

“Bem a cara de vocês assassinar uma criança negra. Reflitam a morte que vocês defendem”, gritou Carlos Rodrigo, o Fuca, aos defensores da PM. A ação dos negros fez uma senhora branca do Morumbi chorar. Ela atravessou a avenida em direção aos outros manifestantes e disse, entre lágrimas: “Eu não sou racista. Eu não quero que nenhuma criança morra. Mas também não quero que policiais morram”.

“Racistas” X “lixo de gente”

Na maior parte do tempo, porém, houve mais tensão do que diálogo. O deputado Major Olímpio acusou os negros de terem sido contratados para estarem ali. “Ganharam 50 contos e um lanche. “Eles estão aqui pagos com dinheiro público”, disse. “Eles estão aqui pagos com dinheiro público.”

“Eles são um esgoto de gente. Não têm menor preocupação com a vida dos policiais”, disse a parapsicóloga Maria Helena Franklin, 63 anos, que, mesmo tendo oito filhos, disse que matar Ítalo foi “mais do que certo”. “A polícia interrompeu a carreira de um bandido. Se fosse num país de primeiro mundo, aquele menino pegava prisão perpétua. Aqui fizeram o mínimo com ele”, afirmou. Metida num casaco de peles, contou que mora no Morumbi há 31 anos e reclamou de sofrer com a violência do crime. “Eu já fui assaltado por criança de oito anos ou menos, magrinho, franzino, com canivete na mão.”

Após cerca de meia hora de gritos entre as duas manifestações, os moradores do Morumbi voltaram para seus carros e foram embora. Antes de recolher as faixas e pegar o rumo para o ponto de ônibus, os militantes da periferia fizeram uma chamada em que respondiam “presente” para os nomes de jovens negros mortos pela PM, como Luana Barbosa dos Reis Santos e Lucas Custódio.

Enquanto rumava para o ônibus, ao lado de companheiros que comemoravam o sucesso do escracho feito contra a “elite branca”, o militante José Adão, 61 anos, membro do do Movimento Negro Unificado, criado em 1978, comentou, num desabafo, como estava cansado de protestar contra a morte de jovens negros.

“Nosso movimento começou com essa questão e até hoje não conseguiu dar um passo à frente, porque estamos sempre morrendo”, disse. E confessou: “Eu não queria estar aqui. Devia estar numa reunião para discutir melhoria de bairro, festa junina… Mas tem que correr atrás de morte, morte, morte. É foda.”

“Nós ainda vamos voltar aqui”, comentou um colega de Adão.

“Se for pelo mesmo motivo, espero que não”, ele respondeu.

Atualização às 15h40 – Em contato telefônica, a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública disse que não reconheceu irregularidade na continência prestada por policiais a manifestantes do Morumbi, como a reportagem havia afirmado. Segundo a assessoria, nada impede que uma continência seja direcionada a qualquer pessoa, civil ou militar.



No artigo

x