Em entrevista, Temer admite golpe e defende Eduardo Cunha

Em ato falho durante entrevista concedida a Roberto D'Ávila, presidente interino afirmou que restringiu as viagens de Dilma Rousseff com aviões da FAB porque a petista usaria o benefício “para fazer campanha denunciando o golpe”.

8718 0

Em ato falho durante entrevista concedida a Roberto D’Ávila, presidente interino afirmou que restringiu as viagens de Dilma Rousseff com aviões da FAB porque a petista usaria o benefício “para fazer campanha denunciando o golpe”

Por Redação

Durante entrevista concedida ao jornalista Roberto D’Ávila, o presidente interino Michel Temer afirmou ter restringido as viagens de Dilma Rousseff com aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) porque a petista usaria o benefício “para fazer campanha denunciando o golpe”. E, por meio do ato falho, acabou deixando escapar aquilo que negou até hoje: que o impeachment se trata, na verdade, de um golpe contra a presidenta afastada.

Temer declarou ainda que questões mais duras, que ainda não teve tempo de analisar, como reformas na Previdência e aumento nos impostos, só devem ser revisitadas após a segunda votação no Senado, quando a Casa decide se Dilma deve ou não voltar ao exercício de suas funções.

Sobre as acusações de Sérgio Machado – que apontam que Temer teria pedido doações provenientes de propina para a campanha de Gabriel Chalita -, ele afirmou que não irá processar o ex-presidente da Transpetro. “O que ele mais deseja é isso. […] Ele quer polarizar com o presidente da República. Eu não vou dar esse valor a ele. Eu não falo para baixo”, argumentou.

Quanto a Eduardo Cunha, presidente afastado da Câmara dos Deputados, Temer disse ver um “batalhador no campo político e no campo jurídico”, reforçando que Cunha se defende como pode das acusações que pesam contra ele.

Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil



No artigo

x