Aplicativo vai avisar população de tiroteios e mapear violência no Rio

A partir da colaboração de qualquer pessoa, a informação de um tiroteio é transformada em notificação em um mapa da região metropolitana do Rio disponível no site para ajudar as pessoas a se protegerem Por...

1950 0

A partir da colaboração de qualquer pessoa, a informação de um tiroteio é transformada em notificação em um mapa da região metropolitana do Rio disponível no site para ajudar as pessoas a se protegerem

Por Redação

O aplicativo lançado pela Anistia Internacional vai ajudar moradores da cidade e região metropolitana do Rio de Janeiro a mapear tiroteios e fornecer dados sobre a violência diária que afeta a vida dessas pessoas. Chamado de “Fogo Cruzado”, o app é gratuito e está disponível nas plataformas Android e IOS.

Quem quiser colaborar é só preencher um formulário para registrar a ocorrência de um tiroteio em seu bairro. A informação é transformada pelo app numa notificação em um mapa da região metropolitana do Rio disponível no site, ilustrando a prevalência e a distribuição geográfica e social da violência armada na Cidade Olímpica.

“A região metropolitana do Rio de Janeiro convive com altos índices de violência armada, registrando de acordo com o Mapa da Violência, cerca de 3500 assassinatos por armas de fogo em 2012, dentre os quais, 2000 foram jovens entre 15 e 29 anos. Algumas localidades, como a Zona Norte e a Baixada Fluminense, apresentam forte incidência de homicídios. Essa violência armada, além de mortos e feridos, gera fortes impactos na rotina dos cidadãos como a suspensão de aulas em escolas, fechamento de postos de saúde e bloqueio de vias públicas, geralmente pouco retratados nos debates sobre o problema”, afirma Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional no Brasil.

Segundo a Anistia Internacional, os dados acumulados pelo “Fogo Cruzado” serão divulgados em mapas e análises abertos a consultas de autoridades, pesquisadores, imprensa e lideranças locais. A ferramenta está sendo prioritariamente promovida junto a organizações, coletivos e defensores de direitos humanos que atuam diretamente em áreas de favelas e periferias.

Acesse o site aqui.

 



No artigo

x