Movimentos do campo ocupam sede do Incra, em Brasília

Entre as principais reivindicações dos movimentos sociais está a recriação do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), que foi extindo por Michel Temer e incorporado ao Minsitério da Agricultura. Segundo a coordenadora nacional do Movimento...

927 0

Entre as principais reivindicações dos movimentos sociais está a recriação do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), que foi extindo por Michel Temer e incorporado ao Minsitério da Agricultura. Segundo a coordenadora nacional do Movimento Social de Luta, Raquel Lima, a ocupação do prédio poderá durar até um mês

Por Redação

Movimentos sociais ligados à luta pela reforma agrária e a centrais sindicais ocuparam nesta segunda-feira (11) a sede nacional do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em Brasília. Entre as principais reivindicações, eles pedem que o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) seja recriado.

O MDA foi extinto e teve suas secretarias incorporadas ao Ministério da Agricultura na reforma ministerial promovida em maio pelo presidente interino Michel Temer.

Os manifestantes trouxeram colchões, panelas, botijões de gás e alimentos. Segundo os líderes dos movimentos, todos os 21 andares do prédio estão ocupados, incluindo o 18° andar, onde fica o gabinete do presidente do Incra, Leonardo Góes Silva, nomeado há menos de um mês por Temer.

A coordenadora nacional do Movimento Social de Luta, Raquel Lima, disse que a ocupação do prédio poderá durar até um mês.

Os manifestantes foram recebidos por representantes da Ouvidoria Agrária Nacional por volta das 9h, mas exigiram uma reunião com a diretoria do Incra. Eles pedem melhorias nas política públicas voltadas para os pequenos agricultores e que seja criada uma nova ouvidoria agrária, com mais independência em relação ao governo.

A assessoria do Incra informou que até o momento não houve reunião com os manifestantes e, portanto, ainda não se posicionou sobre as demandas do movimento.

Segundo a Polícia Militar, cerca de 200 pessoas participam da ocupação, que conta com integrantes de pelo menos dez movimentos sociais, entre eles o Movimento de Luta pela Terra (MLT), a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o Movimento de Resistência Camponesa (MRC) e a Central de Trabalhadoras e Trabalhadores Brasileira (CTB).

*Com informações da Agência Brasil

Leia também

Em família: Temer nomeia filho de Paulinho da Força para comandar o Incra de SP

Foto de Capa: Mídia Ninja

 



No artigo

x